Depois de vários dias de especulação em torno da saúde do Presidente do Uzbequistão, Islam Karimov, que sofreu uma hemorragia cerebral no sábado, a televisão estatal daquele país da ex-União Soviética anunciou a morte do homem que liderava o país há 27 anos.

A morte foi anunciada em direto na televisão, depois de os rumores do falecimento de Karimov terem circulado entre fontes diplomáticas e chegando a ser anunciada pelo primeiro-ministro turco.

Screen Shot 2016-09-02 at 17.47.24

Depois de horas a evitar o tema, a televisão estatal anunciou a morte de Islam Karimov em direto

A possibilidade da morte do ditador uzbeque tornou-se ainda mais real depois de o primeiro-ministro turco, Binali Yıldırım, ter dito numa reunião do seu governo, que foi transmitida em direto pela televisão, que Karimov tinha morrido. “O Presidente uzbeque, Islam Karimov, faleceu. Que a misericórdia de Deus esteja com ele, enquanto o povo da Turquia partilha a sua dor e a sua tristeza com o povo uzbeque”, disse Yıldırım.

Depois disso, a Reuters citou três fontes diplomáticas que lhe confirmaram a morte de Karimov. “Sim, ele morreu”, disse uma delas. De igual forma, a Associated Press (AP) referiu que um diplomata de topo do Quirguistão e um membro do Governo do Afeganistão adiantaram que o Uzbequistão está a preparar um funeral de Estado para Karimov, que deverá acontecer já no sábado. Segundo o The Guardian, vários embaixadores estrangeiros no país foram informados que deveriam apresentar-se na estação de comboios no sábado de manhã.

Enquanto isso, o noticiário das 21h00 locais (17h00 de Lisboa) abriu com uma notícia sobre uma fábrica. 45 minutos mais tarde, a emissão foi interrompida para anunciar a morte do Presidente do Uzbequistão.

Screen Shot 2016-09-02 at 17.00.52

Notícia de abertura do noticiário das 21h00. A televisão estatal do Uzbequistão evitava falar da morte de Karimov

Esta sexta-feira, o Governo referiu-se ao caso pela primeira vez, emitindo um comunicado. “Caros compatriotas, é com o coração pesado que vos informamos que o estado de saúde do nosso Presidente deteriorou-se drasticamente nas últimas 24 horas, chegando a um estado crítico, de acordo com os médicos”, lê-se nesse documento.

A notícia do internamento de Karimov numa unidade de cuidados intensivos foi dada em primeira mão pela sua filha Lola, que na segunda-feira escolheu o Instagram para esse fim, colocando uma fotografia da família juntamente com um texto onde dizia que “a sua situação é considerada estável” e onde fez um pedido geral: “Evitem especulações e demonstrem respeito ao direito à privacidade da nossa família”.

View this post on Instagram

(Фото из личного архива, Март 2014 г.) Во избежание кривотолков здесь на своей странице я хочу рассказать вам о печальных событиях, которые произошли в нашей семье с моим отцом в минувшие выходные. По причине мозгового кровоизлияния, которое случилось в субботу утром он госпитализирован и находится в реанимационном отделении. Состояние его оценивается как стабильное. На данный момент ещё рано делать какие либо прогнозы относительно его будущего состояния. Я обращаюсь к людям с большой просьбой обойтись без спекуляций и уважать право семьи на "прайвеси" (личное пространство). Я буду очень признательна всем, тем кто изъявит желание и поддержит моего отца своими молитвами. ⬇️(Шаҳсий архивдан сурат, март 2014 й.) Турли хил гап-сўзларнинг олдини олиш мақсадида, бизнинг оилада ўтган хафтанинг охирида содир бўлган қайғули воқеа ҳақида ушбу саҳифам орқали сизга маълумот бермоқчиман. Шанба куни адамлар мияга қон қуйилиш ташхиси билан шифохонага олиб келиндилар. Ҳозир улар реанимация бўлимида тиббий муолажалар олмоқдалар. Ҳозирги пайтда ҳолатлари шифокорлар томонидан стабил деб баҳоланмоқда. Айни пайтда келгусидаги соғлиқлари борасида қандайдир тахминлар қилиш анча эрта. Мен сизлардан турли хил гап-сўзлардан йироқ бўлиб, оиламизнинг шаҳсий ҳаётига хурмат билан муносабатда бўлишингизни илтимос қиламан. Ушбу дамларда отамни ўз дуолари билан қўллаб-қувватловчи барча инсонларга ўзимнинг чексиз миннатдорчилигимни изҳор этаман. (Photo from family archive, March 2014) I would like to write here about the sad events that befell our family last weekend. My father was hospitalised after suffering a cerebral haemorrhage on Saturday morning, and is now receiving treatment in an intensive care unit. His condition is considered stable. At the moment it is too early to make any predictions about his future health. My only request to everyone is to refrain from any speculations, and show respect to our family's right to privacy. I will be grateful to everyone who will support my father with prayers.

A post shared by Lola Karimova-Tillyaeva (@lola_tillyaeva) on

Apesar de Karimov ter sido internado no sábado, o Governo do Uzbequistão emitiu um comunicado assinado pelo Presidente a 31 de agosto, por ocasião dos 25 anos da independência do país, depois de ter saído da União Soviética. “Felicito do fundo do meu coração todos vós e toda a nossa nação no 25.º aniversário da sua independência, que abriu uma nova página na nossa história de várias séculos, libertou a nossa nação das correntes de um regime despótico e pavimentou o caminho para a construção de uma vida em liberdade e próspera”, lê-se naquele texto, onde Karimov também felicitou os atletas uzbeques que conquistaram um total de 13 medalhas nos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro.

“Que a nossa independência seja eterna”, terminava o texto. É uma escolha de palavras curiosa, agora que Karimov está prestes a deixar de ser associado à ideia de eternidade, depois de 27 anos como líder do Uzbequistão. Em todos os antigos países da União Soviética, o Presidente do Uzbequistão era o segundo líder que há mais tempo governava. Apenas Nursultan Nazarbayev, Presidente do Casaquistão, o ultrapassa — mas apenas por um dia. Karimov tomou posse como Primeiro Secretário do Partido Comunista do Uzbequistão em 23 de junho de 1989 e Nazarbayev subiu ao posto homólogo no Partido Comunista do Casaquistão a 22 de junho de 1989.

No caso de morte do Presidente, a Constituição prevê que a liderança do país seja provisoriamente assumida pelo presidente do Senado durante três meses, após os quais deverá haver novas eleições presidenciais. Porém, as eleições presidenciais no Uzbequistão são conhecidas por apresentarem resultados pouco credíveis. Em 1991 Karimov foi eleito com 87,1% dos votos, o resultado mais baixo em todas as eleições a que concorreu. Em 2000, chegou a ter 95,7% dos votos.

A morte de Karimov coloca algumas questões em torno da sua sucessão, que pode levar a uma disputa entre membros do seu círculo mais próximo, uma vez que o ditador uzbeque não terá deixado claro quem seria o seu sucessor. Em declarações à Associated Press, Denis Krivosheev, vice-diretor da Amnistia Internacional para a Europa e Ásia Central, disse que a morte de Karimov “assinalaria o fim de uma era no Uzbequistão, mas quase de certeza que o mesmo não se passará como grave padrão de abusos de direitos humanos”. “É provável que o seu sucessor venha do seu círculo mais próximo, onde as vozes dissonantes nunca foram toleradas”, acrescentou.

No ranking da liberdade de imprensa da ONG francesa Repórteres Sem Fronteira, o Uzbequistão aparece em 166.º lugar entre 180 países. No ranking da Transparency International, que estuda o fenómeno da corrupção, o Uzbequistão aparece em 153.º lugar entre 168 países.