A poucos dias do lançamento de The Pigeon Tunnel, o novo livro de memórias de John le Carré, o jornal The Guardian publicou um excerto em que o escritor britânico e ex-agente do MI6 revela que foi abandonado pela mãe quando tinha apenas cinco anos e que foi vítima de violência por parte do pai, Oliver.

le carre

“Hoje, não me lembro de sentir nenhum afeto em criança exceto pelo meu irmão mais velho, que por algum tempo foi o meu único pai”, escreveu le Carré, com 84 anos. Em The Pigeon Tunnel, o autor lembra também uma cassete que a mãe, Ronnie, lhe deixou antes de o abandonar e em que ela descreve como o marido lhe costumava bater, razão pela qual decidiu fugir de casa.

“Claro que Ronnie também me batia, mas apenas às vezes e nunca com tanta convicção”, contou le Carré no seu livro de memórias.

No excerto publicado pelo Guardian, é ainda possível ler como le Carré conheceu e trabalhou com o ator britânico Alec Guiness e se cruzou com o empresário Rupert Murdoch e a primeira-ministra Margaret Thatcher, que queria que fosse “recomendado para uma medalha”. “E eu recusei”, contou o escritor.

“Não tinha votado nela, mas o facto não tinha nada a ver com a minha decisão. Senti, como sinto hoje, que não fui feito para o nosso sistema de honras, que representa muito daquilo que não gosto no nosso país.”

John le Carré publicou o primeiro romance, Call for the Dead, em 1961, numa altura em que trabalhara como agente secreto para o M16. A maioria dos seus romances — histórias de espiões passadas durante a Guerra Fria (1945-1991) — são inspirados por essa experiência. Apesar disso, o autor sempre se considerou, acima de tudo, um escritor e não “um espião que se virou para a escrita”. The Pigeon Tunnel chega às livrarias a 6 de setembro.