CDS-PP

Portas de volta ao CDS mas em nome próprio: “Se não tivermos boa relação com Angola, outros terão”

170

Em dia de socialistas no CDS, Portas recusa-se a falar de política nacional. Defende relação com Angola, diz que impeachement está na Constituição brasileira, e faz apoio a Hillary.

Ao lado de um socialista e de volta a um encontro do CDS depois de se ter votado a uma “nova vida” longe da política, Paulo Portas esforçou-se por manter o discurso centrado na cena internacional. Perante uma plateia de “jotas” e com Assunção Cristas na fila da frente, o ex-líder falou do impeachement no Brasil, da “preocupação” sobre os EUA, do acordo com elússia para resolver crise dos refugiados, da falta de governo em Espanha e até de Angola, que nos últimos dias se tornou um tema quente no CDS. “Não cabe a Portugal explicar aos angolanos como devem ser angolanos” e “se Portugal não mantiver a boa relação que tem com Angola, outros países o farão”, disse.

“Angola tem mais de 100 mil portugueses, duas mil empresas nacionais sediadas em Angola e 10 mil empresas em Portugal a exportar para lá. Em circunstâncias normais é o nosso quarto mercado e o primeiro fora da UE. É por estes factos tão importantes que devemos perceber que a escola diplomática sabe que são os interesses portugueses que têm de ser defendidos e não devemos explicar aos angolanos como devem ser angolanos“, disse. E reforçou: “Se Portugal não tiver boa relação com Angola, os chineses, turcos, ingleses ou espanhóis vão tomar as posições de Portugal”.

É a primeira vez que Portas fala, ainda que indiretamente, da polémica que se instalou depois de o CDS ter aceitado marcar presença no congresso do MPLA, em agosto, e depois de o deputado Hélder Amaral ter sublinhado a proximidade “cada vez maior” entre os dois partidos.

Antes, contudo, teve de fazer duas notas prévias para explicar a sua aparição este sábado na Escola de Quadros do CDS, a debater os “desafios de Portugal no contexto internacional” ao lado do ex-comissário europeu e ex-ministro da Defesa socialista António Vitorino. Primeiro, disse que só voltou a pisar o palco do CDS pelo “carinho” e para cumprir a promessa de ajudar a formar as novas gerações do partido; e, depois, que todas as opiniões que expressar não representam ninguém a não ser ele próprio, “nem comprometem quem quer que seja”. Ou seja, o palco é da líder Assunção Cristas e do antecessor não se ouvirá uma consideração sobre política nacional.

Mas ainda assim, não deixou escapar uma ou outra alfinetada ao Governo. Cumprimentando o parceiro de painel, Portas classificou o socialista António Vitorino como uma “pessoa moderada”, notando que não é uma qualidade “muito abundante no mercado hoje em dia”. No mercado global, claro, retificou. E comentando o facto de Espanha estar sem governo há mais de 300 dias, notou que “nem sempre não ter governo prejudica a economia, às vezes são os governos que prejudicam as economias”.

O dossiê Espanha seria o tema mais propício a comparações com a situação política nacional, mas nem depois das perguntas dos jovens democratas-cristãos Portas ousou trilhar esse caminho.

Preferiu voltar-se para a situação da União Europeia, onde o ex-vice-primeiro-ministro identificou a crise dos refugiados e a vulnerabilidade dos ataques terroristas como os “problemas mais urgentes” e avançou que a única forma de os resolver era através da assinatura do acordo com a Rússia no Conselho de Segurança da ONU.

No tema Brasil, e sobre o impeachement que esta semana afastou a presidente Dilma Rousseff, Portas voltou a seguir o princípio da não-ingerência. Se a forma regimental do impeachement está prevista na Constituição brasileira, então “não nos compete dar lições aos brasileiros de direito constitucional“. O lema é esse: “Não vamos fazer juízos ideológicos sobre Estados soberanos”, disse.

Mas além do brexit e da crise europeia, o tema que mais “preocupa” o ex-ministro da Defesa e dos Negócios Estrangeiros é, no entanto, as eleições nos EUA. Sublinhando que a maioria dos republicanos que conhece, e com quem partilha a matriz ideológica, está “pouco confortável” com o candidato Donald Trump, Portas deixou uma nota implícita de apoio a Hillary Clinton. “Uma presidente em concreto será certamente melhor do que o outro”, disse, explicando depois que nesta fase “só quer uma pessoa profissional à frente da maior potência mundial”.

António Vitorino, que foi a segunda figura da área socialista a marcar presença este sábado na Escola de Quadros do CDS, depois da ex-ministra da Educação Maria de Lurdes Rodrigues, partilhou opiniões com o ex-líder centrista mas também divergências. E num rasgo de diplomacia politicamente incorreta, deixou um recado à postura do Brasil na CPLP: “Nunca foi uma alavanca para projeto coletivo”, disse.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida
301

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)