Barack Obama

Chegada de Obama à China sem tapete vermelho e com discussão à mistura

154

A chegada do presidente norte-americano à China foi conturbada. Hoje Obama sublinhou as diferenças que separam a China dos Estados Unidos no campo dos direitos humanos e da liberdade de imprensa.

Obama vai participar pela última vez, como presidente norte-americano, numa reunião do G20

HOW HWEE YOUNG/EPA

Autores
  • Marlene Carriço
  • Agência Lusa

A chegada do presidente norte-americano, Barack Obama, à China, no sábado, não foi feita com o pé direito. Pelo menos à primeira tentativa. É que não havia escadas na porta principal do avião presidencial, nem passadeira vermelha, o que obrigou o chefe de Estado a sair por uma das saídas de emergência traseiras do equipamento. E este seria apenas o início de uma receção com alguns contratempos.

Assim que houve maneira de a tripulação norte-americana deixar o Air Force One, os fotógrafos e jornalistas que viajavam com o presidente norte-americano até à reunião do G20, passaram à frente para poder fotografar o momento da chegada do presidente. Acontece que esbarraram num funcionário chinês que impediu que a imprensa ficasse na pista a registar o momento. Escreve a imprensa estrangeira que a China parece ter feito de propósito para dar pouca importância à chegada deste líder mundial que participará pela última vez, nessa qualidade, num reunião do G20.

Um funcionário da Casa Branca tentou intervir, dizendo que era o presidente norte-americano e um avião norte-americano e que a imprensa só estava a fazer o que é habitual naquelas ocasiões. Mas nem isso convenceu o funcionário chinês que gritou, segundo as agências: “Aqui é a nossa casa. É o nosso aeroporto”. Sucederam-se algumas trocas irritadas de palavras entre os agentes chineses e as autoridades norte-americanas. Durante a confusão, o agente terá mesmo tentado impedir que a Conselheira para a Segurança Nacional, Susan Rice, se juntasse ao presidente Obama, correndo na sua direção quando ela pretendia passar o cordão que delimitava o espaço reservado para a passagem do chefe de Estado norte-americano.

Também no sábado, vários oficiais de protocolo da Casa Branca e outros membros da equipa do presidente Obama foram impedidos de entrar no local onde Obama se iria reunir com o presidente chinês e houve também uma troca acesa de palavras. E minutos antes da chegada dos dois líderes, ainda se discutia onde poderiam ficar os jornalistas norte-americanos.

Os chineses insistiam que não havia espaço suficiente para os 12 jornalistas que viajam com Obama e as autoridades norte-americanas afirmavam que havia.

Já este domingo, o presidente norte-americano sublinhou as diferenças que separam a China dos Estados Unidos no campo dos direitos humanos e da liberdade de imprensa.

“É importante que a imprensa tenha acesso ao trabalho que estamos prestes a realizar, que tenha oportunidade de questionar”, declarou Obama, acrescentando que “quando levanto questões como a dos direitos humanos, há certas tensões que possivelmente não ocorrem quando o presidente Xi se reúne com outros dirigentes”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)