O ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, confirmou o envio de “largas centenas” de itens digitais para o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, que sofreu um incêndio em dezembro de 2015.

“Nós confirmámos aos responsáveis da Fundação Roberto Marinho a oferta que o Governo português vai fazer de acervo da Biblioteca Nacional, da Rádio e Televisão de Portugal [RTP] e do Arquivo Nacional da Torre do Tombo . São ofertas digitais”, disse, em declarações à agência Lusa.

O ministro referiu que o encontro com os responsáveis da fundação hoje, no Rio de Janeiro, serviu apenas para “entregar uma lista pormenorizada” de “todos os itens que serão disponibilizados”, dado que já existe um acordo sobre esta transferência.

“Não vamos digitalizar. Vamos passar conteúdos digitais que já fizemos”, clarificou.

O Governo português não vai participar na reconstrução do museu, confirmou o ministro, lembrando que “há outras instituições” portuguesas a cooperar para que aquele espaço cultural reabra, como o Instituto Camões e a Fundação Calouste Gulbenkian.

Luís Filipe Castro Mendes indicou que estão a ser estabelecidos contactos com empresas e fundações para ajudar o colocar o espaço novamente em funcionamento.

A reabertura do museu está prevista para 2018.

Durante uma visita a São Paulo a 12 de abril, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, tinha pedido às empresas portuguesas no Brasil que apoiassem os trabalhos de reconstrução do museu.

“Evidentemente que todos nós em Portugal estamos desejosos de cooperar e de ajudar o Museu da Língua Portuguesa de São Paulo”, rematou Luís Filipe Castro Mendes.

O ministro falava à Lusa depois de visitar o Museu do Amanhã e de almoçar no Museu de Arte do Rio, no primeiro de cinco dias de visita oficial ao Brasil, para vários encontros com agentes culturais, e responsáveis ligados ao ensino e divulgação da língua portuguesa no país.

Ainda hoje, o ministro participará na homenagem à decana dos especialistas em literatura portuguesa no Brasil, Cleonice Berardinelli, na celebração do seu centésimo aniversário, também no Rio de Janeiro.

O ministro da Cultura irá também distinguir Gilda Santos, portuguesa há muitos anos a ensinar no Brasil, fundadora da Cátedra Jorge de Sena, e vice-presidente do Real Gabinete Português de Leitura, com uma medalha de mérito cultural.

Ao final da tarde, o governante irá também a uma recepção oferecida pelo meio académico e cultural do Rio de Janeiro, no Instituto Cultural Cravo Albin.