A primeira-ministra britânica, Theresa May, manifestou, este domingo, otimismo em relação à saúde da economia britânica, mas chamou a atenção para a possibilidade de virem a surgir “dificuldades nos próximos tempos”.

“Não vou fingir que vai tudo ser fácil”, disse a chefe do Executivo britânica. “Penso que devemos estar preparados para o facto de podermos ter de enfrentar algumas dificuldades no futuro. Mas sou otimista”.

Ao falar à estação de televisão BBC, May, que tomou posse em julho, depois da demissão de David Cameron a seguir ao referendo, também pôs de parte uma nova eleição geral nos próximos tempos, dizendo que a Grã-Bretanha precisa de estabilidade a seguir ao referendo de junho, que votou pela saída da União Europeia. “Não vou convocar uma eleição antecipada”, disse.

Isto surge a propósito de o Partido Conservador ter uma escassa maioria na Câmara dos Comuns, o que poderá dificultar a aprovação de leis controversas, e de Jeremy Corbin estar a dividir a oposição trabalhista nas sondagens.

“Fui muito clara, penso que precisamos deste período de tempo, desta estabilidade, para conseguirmos lidar com as questões que o país enfrenta e termos esta eleição em 2020”, acrescentou.

May, está a encontrar-se com os líderes mundiais, incluindo o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e da China, Xi Jinping, na cimeira do G20.

Disse à BBC que queria “começar a debater” com eles como seriam os acordos comerciais pós-Brexit.

Mas Obama falou duramente contra o Brexit durante a campanha do referendo, avisando os britânicos de que iriam para “o fim da fila” num acordo comercial com os EUA se votassem a favor da saída.

O chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, também disse, este domingo, que se opõe a negociações comerciais entre a Grã-Bretanha e outras nações enquanto fizer parte do bloco, depois de a Austrália dizer que estava prestes a lançar conversações sobre a matéria.