Os líderes dos países membros do G20, o grupo que reúne as maiores economias do mundo, concordaram em opor-se ao protecionismo, afirmou, esta segunda-feira, o Presidente chinês, Xi Jinping, no final da cimeira, em Hangzhou, na China.

“Concordamos (…) em apoiar o sistema multilateral de comércio e opor-nos ao protecionismo”, disse Xi.

O sistema de comércio livre é um dilema para os líderes de vários países, que enfrentam crescentes tendências populistas e a perceção de que a ordem económica mundial, defendida pelo G20, prejudica o cidadão comum.

Xi Jinping não especificou quais as medidas que o grupo vai adotar para liberalizar o comércio.

A China é frequentemente acusada pelos Estados Unidos da América e pela União Europeia de violar acordos comerciais e dificultar o acesso ao seu enorme mercado.

Xi defendeu que depender apenas de políticas fiscais e monetárias para impulsionar o crescimento não será viável.

“É preciso voltar a acionar o motor do crescimento”, disse, acrescentando que o G20 adotou “princípios orientadores” para gerir as políticas de investimento. “É o primeiro quadro regulamentar multilateral no domínio do investimento”, afirmou Xi, sem avançar mais detalhes.

O G20 representa 85% da economia mundial e cerca de dois terços da população do planeta.