Rádio Observador

Liberdade Religiosa

Vera Jardim critica fisco

Vera Jardim desafiou o Governo a lembrar aos contribuintes que podem dedicar uma percentagem dos seus impostos a favor das confissões religiosas ou de outras instituições utilidade pública.

Francisca Van Dunem rejeitou a ideia de que a Comissão estava em "autogestão"

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O novo presidente da Comissão da Liberdade Religiosa desafiou esta segunda-feira o Governo a lembrar aos contribuintes que podem dedicar uma pequena percentagem dos seus impostos fiscais a favor das confissões religiosas ou de outras instituições de utilidade pública.

Este foi um dos reptos lançados por Vera Jardim, que foi empossado presidente da Comissão da Liberdade Religiosa em cerimónia presidida pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem.

Vera Jardim salientou que a Lei da Liberdade Religiosa criou a chamada “consignação fiscal”, que permite aos contribuintes “dedicarem uma percentagem do seu imposto pessoal a favor das confissões religiosas”.

O antigo ministro da Justiça criticou o facto de a Autoridade Tributária nos seus “múltiplos ofícios e emails que envia aos contribuintes” não alertar, nem chamar a atenção, para a possibilidade desse exercício fiscal.

“Sabendo que o Governo e em especial o primeiro-ministro são fervorosos adeptos da participação cidadã, também no destino dos dinheiros públicos não será pedir de mais que o Ministério das Finanças (…) apele aos contribuintes que façam uso concreto dessa possibilidade” fiscal”, considerou.

Tal procedimento, disse, “enriquecerá a cidadania e representa uma ajuda muitas vezes preciosa para muitas das instituições”, quer sejam religiosas ou não.

Considerando que Portugal é um “exemplo de boas práticas” em matéria de liberdade religiosa e de intregração de imigrantes, Vera Jardim lançou um segundo repto ao Governo no sentido de aproveitar essa “experiência” junto dos fóruns internacionais e da própria Comunidade Portuguesa de Países Lusófonos (CPLP).

“Porque não colocar na agenda de muitas dessas organizações a experiência portuguesa?”, questionou.

Vera Jardim aproveitou também para saudar a iniciativa do atual Governo de dar posse a uma nova Comissão, ato de pôs “termo a um longo período de letargia e desinteresse do poder político” relativamente à questão da liberdade religiosa.

Em declarações aos jornalistas, Francisca Van Dunem rejeitou a ideia de que a Comissão estava em “autogestão”, mas reconheceu que, no contexto em que estava a funcionar, tinha “grandes restrições”.

“Era prioritário para o Governo recentrar e revitalizar a atividade da Comissão”, disse a ministra.

Prontificou-se ainda a ser porta-voz daquilo que foram os reptos lançados ao Governo por Vera Jardim em matéria fiscal e não só.

Durante a cerimónia, a ministra da Justiça sublinhou que laicidade do Estado e a separação entre o Estado e as igrejas “não pode, nem deve impedir de realizar um contínuo esforço conjunto tendente à convivência e ao diálogo entre pessoas de fé e não crentes e agnósticos”.

A defesa da liberdade de expressão e de consciência, de religião e culto, com respeito mútuo entre todas as igrejas, é um dos compromissos da Declaração pelo Diálogo e pela Paz assinada em Lisboa por 21 comunidades religiosas, que inclui, pela primeira vez na sua composição, um elemento da comunidade budista.

A cerimónia contou com a presença do antigo Presidente da República Jorge Sampaio e do presidente do Supremo Tribunal de Justiça, entre outras personalidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

A Ucrânia e os valores cristãos da Europa

Pavlo Klimkin
373

Na Rússia ortodoxa nunca houve liberdade, democracia, abertura, nem tolerância como valores. Portanto, a Rússia não pertence à civilização da Europa, apesar de todas as semelhanças externas. 

Liberdade Religiosa

Os mártires de Tibhirine /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
392

Hoje são beatificados, na Argélia, dezanove novos mártires, entre os quais os sete monges de Tibhirine, que foram argumento do filme ‘Dos homens e dos deuses’.

Liberdade Religiosa

Asia Bibi: ela sim! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
947

Portugal não pode ser insensível a este drama humanitário: mais do que uma questão religiosa, é um caso de justiça e de respeito pelos mais elementares direitos humanos.

Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos
463

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)