Startups

Harpoon: o melhor sítio para “pescar” no mercado de trabalho

551

Anda à pesca de um talento para a sua empresa ou daquele trabalho com que sempre sonhou? Faz pontaria, mas não consegue acertar no alvo? Talvez lhe faltem as ferramentas. Talvez falte a Harpoon.jobs.

Matthieu Douziech, CEO da Harpoon.jobs, quer juntar os melhores talentos do mercado

Navegar no mar revolto do mercado de trabalho não é tarefa fácil. Há quem embarque na aventura sem uma bússola que oriente o caminho e ande aos papéis. No ceio de um mercado altamente competitivo em que a caça de talentos é uma regra fulcral, é premente que as empresas saibam exatamente o que pretendem “pescar” na altura de preencher novas vagas de trabalho. A mais recente e inovadora plataforma de recrutamento que está a dar que falar, promete revolucionar o mercado da contratação tal qual como o conhecemos.

Dá pelo nome de Harpoon.jobs e, tal como o nome indica, funciona como um arpão, uma arma rápida e precisa para quem anda à pesca de talentos qualificados ou do emprego dos seus sonhos.

O processo de recrutamento é fácil e eficaz, como explica o fundador e CEO da Harpoon.jobs, Matthieu Douziech. De um lado estão os candidatos; do outro, estão as empresas. Para cada candidato existirá um trabalho perfeito e vice-versa. Ora, em vez de procurar um a um, como agulha num palheiro, a Harpoon.jobs cruza os dados e faz tiro certeiro ao alvo. Já lá diz o povo: há sempre uma tampa para cada panela. O objetivo da plataforma é encontrar a “outra metade” que lhe assenta na perfeição.

“Somos agentes de talentos”

Na Harpoon.jobs, tudo funciona de forma muito simples: “O candidato regista-se na plataforma Harpoon.jobs, preenche o seu perfil, assina os termos de acesso ao seu histórico de carreira e responde a três perguntas em Inglês. Com base no percurso profissional, na capacidade de destaque e na conversa connosco, decidimos aceitar ou não o candidato como membro”, continua Matthieu Douziech, que deixou para trás uma carreira sólida nos Recursos Humanos da L’Oreal para fundar a startup portuguesa, em maio deste ano.

Sim, nem todos os candidatos têm acesso à plataforma. Há uma filtragem à entrada que pretende garantir a máxima qualidade nos recursos selecionados. Contudo, depois de ser aceite, cada um é tratado de forma única. “A nossa lógica é a de agentes de talentos. Conhecemos perfeitamente os nossos membros, sabemos quais são os seus perfis e expectativas”, compara.

O que acontece a seguir é pura matemática, mas não deixa de ter uma certa magia. “Quando uma empresa se regista na plataforma e coloca uma oferta de trabalho, o nosso algoritmo de matching entra em ação e verifica quais são os membros mais adequados. Se houver um match, os candidatos recebem uma notificação através da Web e da App, podendo aceitar ou recusar a oferta. Nós temos de garantir às empresas talentos qualificados e interessados Caso aceitem, as empresas recebem uma notificação com o perfil do candidato”, esclarece.

Também aqui a Harpoon.jobs se distingue das clássicas agências de recrutamento: o perfil de cada candidato fica parcialmente anónimo até que este decida partilhar os seus contactos. Assim, “a empresa vai aceitar ou recusar o perfil do candidato sem saber quem é”.

Segundo o CEO, a ideia do anonimato surgiu nos focus groups que desenvolveu antes de lançar a plataforma. “Descobri que os talentos valorizam imenso a possibilidade de sondar o mercado sem se comprometerem”, conta.

Do “flirt” ao compromisso

Caso a empresa aceite o match, passa-se a uma fase de conversa via chat, a que o CEO chama a “fase de flirt”, até decidirem encontrar-se e, quem sabe, talvez “casar”. Aqui, a Harpoon.jobs não mete o nariz.

Como sublinha Matthieu Douziech, “o chat não é uma brincadeira, é uma forma extremamente moderna e instantânea de ambas as partes se conhecerem melhor e de saberem se há interesse mútuo em passar à fase de entrevista. Embora o chat possa durar 15 dias, demora em média apenas 3 dias, o que significa que as empresas acreditam na qualidade dos candidatos que vão encontrar”.

Atualmente, a Harpoon.jobs tem mais de 500 membros. Posso dizer que conheço todos os membros que estão na plataforma. Estão lá talentos com o mínimo de 3 anos de experiência, a trabalhar em diferentes áreas, tais como marketing, vendas, finance, digital, logística… Há de tudo. Cada membro recebe 250 euros quando é recrutado, como recompensa.

Quanto às empresas que mais procuram a Harpoon.jobs, são sobretudo multinacionais, mas também existem empresas portuguesas na lista. “Só queremos as melhores”, diz.

Quanto ao futuro, Matthieu Douziech confia que o recrutamento será cada vez mais digital e não esconde a ambição gigantesca de crescer a nível internacional, mas com qualidade.

Juntar os melhores: “esta é a nossa obsessão”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos
113

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro
356

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)