Partículas minúsculas provavelmente resultantes da poluição atmosférica foram encontradas no cérebro humano, revela-se num novo estudo, segundo o qual estas nano partículas poderão contribuir para o desenvolvimento de doenças neuro degenerativas como o Alzheimer.

“Estes resultados sugerem que as nano partículas de magnetita presentes no ambiente podem penetrar no cérebro humano, onde podem representar um risco para a saúde”, escrevem os autores do estudo, citados pela agência AFP.

Cientistas externos ao estudo, publicado na revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), alertam no entanto que é demasiado cedo para estabelecer uma ligação de causa e efeito com a doença de Alzheimer.

Devido ao seu tamanho, na ordem da milmilonésima parte do metro, as nano partículas podem atravessar as barreiras fisiológicas e entrar nos pulmões e no sangue.

Segundo o estudo agora publicado, realizado por investigadores no Reino Unido, México e EUA, as nano partículas inspiradas pelo nariz podem mesmo chegar ao centro do cérebro através do nervo olfativo.

As partículas de magnetita, um óxido de ferro muito magnético, podem-se formar naturalmente no cérebro, recordam os cientistas.

Mas as características das partículas observadas no córtex frontal de 37 pessoas (forma esférica, tamanho muito pequeno de menos de 150 nanómetros, superfície lisa) sugerem que se formaram a muito altas temperaturas, por isso não no interior do corpo humano.

“Estas partículas parecem-se com as nano esferas de magnetita que encontramos frequentemente nas partículas em suspensão no ar em meio urbano”, resultantes da queima de combustível, avançam os investigadores, lembrando que a magnetita está associada ao aparecimento no cérebro de substâncias químicas associadas ao desenvolvimento de doenças neuro degenerativas como o Alzheimer.

O estudo recorda que trabalhos anteriores, de 2003 e 2008, demonstraram “uma correlação entre a quantidade de magnetita no cérebro e a frequência da doença de Alzheimer”.

“Não sabemos o suficiente para estabelecer se esta fonte externa de magnetita provocada pela poluição do ar pode ser um fator desta doença”, disse no entanto Joanna Collingwood, da Universidade de Warwick.

“Não penso que possamos dizer neste momento se isso causa a doença de Alzheimer, mas é uma fonte de preocupação porque as partículas de magnetita têm sido associadas a outros problemas de saúde, como doenças cardiovasculares e pulmonares”, disse por seu lado Peter Dobson, do King’s College de Londres.