Visão

Prémio Champalimaud distingue descobertas na relação entre cérebro e olhos

1.355

O Prémio Champalimaud decidiu distinguir quatro investigadores pelos avanços conseguidos na perceção sobre como o cérebro processa a informação visual. Pode ser a "chave" para reverter a cegueira.

O júri internacional decidiu destacar o "assinalável avanço protagonizado por estes quatro cientistas"

Rodrigo Baptista/LUSA

O Prémio António Champalimaud de Visão, que este ano celebra a sua 10.ª edição, foi atribuído a quatro investigadores das Universidades de Columbia, Cambridge, Harvard e Stanford pelas “descobertas extraordinárias na relação entre cérebro e olhos”. O galardão, no valor de 1 milhão de euros, é o maior prémio do mundo atribuído na área da visão.

O júri internacional decidiu destacar o “assinalável avanço protagonizado por estes quatro cientistas” que, explica a Fundação Champalimaud em comunicado, “vem possibilitar o tratamento no futuro de muitos e diferentes distúrbios da visão através de terapias neurológicas”.

A nossa visão depende, em grande parte, das conexões sinápticas que são estabelecidas entre as células da retina e as regiões do cérebro responsáveis pelo processamento dessa informação. “Quando as projeções da retina não são formadas corretamente, a visão formada no cérebro torna-se anormal e a nossa capacidade de ver é muito prejudicada”, explica a Fundação.

Ora, as relações que estes investigadores conseguiram estabelecer entre os olhos e o cérebro vão permitir, no futuro, desenvolver terapias focadas no cérebro, com o objetivo de melhorar a sua capacidade de receber as informações transmitidas pelas células da retina.

“Este avanço representa uma verdadeira revolução nos padrões conhecidos da ciência e nas consequentes abordagens terapêuticas” e podem “ser a chave para desbloquear novos tipos de tratamento”, pode ler-se no comunicado da Fundação.

No futuro, estas terapias podem mesmo devolver a visão a pessoas que são incapazes de ver como resultado de conexões sinápticas mal estabelecidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Visão

95% das pessoas com mais de 65 anos tem cataratas

Raúl Sousa
101

Assinala-se a 11 de outubro o Dia Mundial da Visão, uma boa ocasião para recordar a importância de despistar um problema que afecta a quase totalidade da população com mais de 65 anos: as cataratas.

Medicina

Reflexões de um jovem médico dentista

Luís Pereira Azevedo
122

77% dos Médicos Dentistas formados há menos de 2 anos têm uma remuneração inferior a 1500 euros brutos mensais. É grande a situação de precariedade e incerteza com que a profissão atualmente se depara

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)