O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou esta quarta-feira que os países aliados estão decididos a reforçar a sua presença no Mar Negro perante o avanço russo, para o que contam com a cooperação da Geórgia e da Ucrânia.

“A região do Mar Negro é muito importante para a segurança euro-atlântica. Temos testemunhado um aumento da presença russa e da militarização da Crimeia. Por isso, decidimos fortalecer a nossa presença no Mar Negro e assim o faremos”, afirmou.

O dirigente aliado fez estas declarações numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro georgiano, Gueorgui Kvirikashvili, no final de uma reunião da comissão bilateral Geórgia-NATO na capital georgiana.

“Estamos a trabalhar nesse sentido com os especialistas em planificação militar. A este respeito, é muito importante a cooperação com os nossos parceiros: Geórgia e Ucrânia”, acrescentou.

Em relação às aspirações da Geórgia de aderir à Aliança Atlântica, Stoltenberg escusou-se a indicar prazos para a entrada deste país do Cáucaso.

“Como país aspirante, a Geórgia tem todos os instrumentos para preparar a sua integração na NATO e esta está disposta a apoiá-la nesse caminho”, disse o líder aliado.

Stoltenberg reconheceu que a “Geórgia está a levar a cabo reformas militares ambiciosas e continua a fortalecer as instituições democráticas, o que a aproxima da NATO”.

“Nesse contexto, esperamos que eleições legislativas do próximo dia 8 de outubro se realizem de acordo com os mais altos preceitos democráticos. Isto é importante para a NATO uma vez que a nossa unidade baseia-se nesses princípios”, disse o secretário-geral.

A adesão à NATO é uma das prioridades da política externa de Tbilisi, mas até agora a Aliança não deu “luz verde” a um plano de ação para a adesão do país.

Stoltenberg também presidiu esta quarta-feira na capital georgiana a uma reunião do Conselho do Atlântico Norte, o órgão máximo de decisão do bloco militar, que pela quarta vez se realizou em Tbilisi.