Militantes de movimentos sociais protestaram na noite de quinta-feira frente à residência, em São Paulo, do Presidente brasileiro, Michel Temer, a pedir a sua saída do Governo, que assumiu plenamente com a destituição definitiva de Dilma Rousseff.

Cerca de 5.000 manifestantes, segundo os organizadores, concentraram-se no final da tarde de quinta-feira no Largo da Batata, uma praça na zona ocidental da maior cidade brasileira, e marcharam até à residência particular de Temer, no bairro de Alto de Pinheiros.

Os manifestantes pediram a saída de Temer, que deverá completar o mandato de Rousseff em 1 de janeiro de 2019, e a antecipação de eleições presidenciais previstas para outubro de 2018.

O protesto, convocado nas redes sociais pela Frente Povo Sem Medo e Frente Brasil Popular, é o nono consecutivo contra Temer em São Paulo.

As manifestações contra Temer começaram em várias cidades depois de o Senado, com 61 votos a favor e 20 contra, destituir definitivamente Dilma Rousseff.

Dilma Rousseff foi condenada por ter assinado três decretos de créditos suplementares em 2015 sem autorização do Congresso e por ter usado dinheiro de bancos públicos em programas do Tesouro, realizando manobras contabilísticas.

A residência de Temer estava guardada pela polícia militarizada antes da chegada dos manifestantes.