A empresa lançada pelo ex-presidente da Galp, Manuel Ferreira de Oliveira, lidera a corrida para a aquisição de três campos offshore (em águas profundas) no Brasil que a Petrobras colocou no mercado, segundo informação avançada pela Bloomberg.

O novo operador, a PetroAtlantic, apresentou a proposta mais elevada em fevereiro, ultrapassando concorrentes de peso como a australiana Karoon Gas Australia, PetroRio e o bilionário russo Mikkail Fridmand. A proposta inicial da empresa de Manuel Ferreira de Oliveira para os campos Bauna, Golfinho e Tartaruga terá ultrapassado os 1,6 mil milhões de dólares (1,4 mil milhões de euros).

No entanto, e de acordo com a Bloomberg, a startup liderada pelo ex-presidente da Galp, ainda estará à procura de financiamento para o negócio. A PetroAtlantic foi constituída no ano passado com o objetivo de investir na produção de petróleo e gás natura no triângulo atlântico da lusofonia, onde também está presente a Galp Energia. A PetroAtlantic, com sede no Porto, não está ainda registada como operador no Brasil, avança a agência.

Contactado pela Bloomberg, Manuel Ferreira de Oliveira escusou-se a fazer comentários nesta fase porque o processo competitivo ainda está em curso. O gestor deixou a presidência executiva da Galp no ano passado depois de ter feito três mandatos.

Os campos que foram alvo de oferta fazem parte dos ativos que a Petrobras colocou à venda depois da crise que atingiu a petrolífera brasileira na sequência do caso Lava-Jato. A petrolífera brasileira quer obter um encaixe de 15 mil milhões de dólares.