A Croácia celebra este sábado eleições legislativas antecipadas num clima de grande instabilidade política e persistente crise económica e com os dois principais partidos, conservador e social-democrata, a tentarem uma improvável maioria que permita governar sem coligações.

O escrutínio, o segundo em um ano, foi convocado após o colapso em 16 de junho do governo de coligação dirigido por uma fação radical de direita da conservadora, a União Democrática Croata (HDZ), que não sobreviveu a um voto de desconfiança parlamentar.

Liderado por Tihomir Oreskovic, o executivo manteve-se apenas cinco meses no poder, minado por disputas internas e conflitos de interesses que enfraqueceram a HDZ e implicaram a demissão do líder conservador e então vice-primeiro-ministro, Tomislav Karamarko.

As sondagens indicam que os eleitores croatas vão manter as intenções de voto das eleições de novembro de 2015, quando o Partido Social Democrata (SDP, centro-esquerda) e aliados garantiram 34%, seguido da coligação liderada pela HDZ com 27 por cento.

Caso se confirmem as projeções, as duas principais formações vão permanecer dependentes de outros partidos minoritários — o movimento “cidadão” Most (Ponte), muito próximo da Igreja católica, foi a surpresa das legislativas de novembro e coligou-se com os conservadores –, para chegar ao poder.

A queda de Karamarko, um antigo ex-chefe dos serviços secretos croatas, e a eleição em 17 de julho do novo chefe da HDZ, Andrej Plenkovic, um eurodeputado definido como moderado, fez no entanto diminuir a crispação interna.

A campanha eleitoral, onde voltaram a predominar promessas económicas irreais num país atingido pela crise económica, foi menos agressiva que a anterior, então caracterizada por duras acusações entre esquerda e direita e que remontaram à Segunda Guerra Mundial.

No escrutínio de domingo, a HDZ de Plenkovic volta a concorrer sozinho, enquanto em novembro de 2015 encabeçou a “Coligação patriótica” que incluía partidos da direita radical e inclusive pró-ustashas, simpatizantes do regime croata que se aliou à Alemanha nazi.

Já os sociais-democratas do ex-primeiro-ministro Zoran Milanovic lideram a “Coligação popular”, que integra diversas formações minoritárias. O líder social-democrata considera que o discurso moderado de Plenkovic esconde o nacionalismo conservador da HDZ e que um governo de novo liderado pelos seus rivais seria instável, ineficaz e intolerante.

À semelhança do que sucedeu em novembro, o movimento Most poderá voltar a assumir a função de “partido charneira”, caso os pequenos partidos como o movimento “anti-sistema” Zivi Zid de Ivan Vilibor Sincic, ou o novo partido progressista “Pametno” não surjam como as surpresas eleitorais de domingo.

A campanha decorreu ainda num contexto regional de grande tensão, com a contínua degradação das relações com a vizinha Sérvia, numa comprovação do regresso dos espetros nacionalistas.