Rádio Observador

Startups

Esta app portuguesa conquistou a Europa. E a culpa é da Jennifer Lawrence

300

SafeCloud Photos quer ser a aplicação de armazenamento de fotografias “mais segura do mercado”. A busca pela garantia de privacidade suscitou o interesse da Comissão Europeia, que financia o projeto.

O produto vai ser apresentado na Web Summit, a decorrer em Lisboa de 8 a 10 de novembro em Lisboa

Impedir que alguém possa aceder aos dados que guardamos na internet é algo que nenhum software pode garantir (ainda). Mas há uma aplicação portuguesa que quer ganhar a corrida pela liderança na proteção de dados. Chama-se SafeCloud Photos e quer ser a “nuvem” de armazenamento de fotografias “mais segura do mercado.” A Comissão Europeia gostou da ideia e vai investir três milhões de euros no projeto minhoto.

A app –– disponível gratuitamente desde quinta-feira em dispositivos móveis Android e Apple — quer ser um “local seguro” por entre “as nuvens”, que “são inúmeras vezes atacadas ou espiadas”, explicou ao Observador Francisco Maia, um dos investigadores responsáveis pela SafeCloud Photos. Mais: quer suscitar uma maior preocupação com a privacidade.

A diferença entre a app portuguesa e outras do mesmo género não está na forma como se carregam os dados, mas na maneira como são armazenados: ao contrário das clouds comuns, a SafeCloud Photos armazena os dados em fragmentos, em diversas plataformas, tornando difícil, “ou quase impossível”, que alguém junte todas as peças.

Normalmente utiliza-se uma única cloud o que nos obriga, de certa forma, a confiar nesse serviço e na empresa que o assegura”, constatou o investigador do Laboratório de Software Confiável (HASLab) do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no polo da Universidade do Minho, onde foi desenvolvida a aplicação. Por sua vez, a SafeCloud Photos utiliza “pelo menos duas clouds e não revela absolutamente nada sobre o conteúdo original”, garante Francisco Maia.

A aplicação, que foi desenvolvida por dez investigadores, permite que apenas quem tiver acesso simultâneo a todas as “nuvens”, ou seja, o autor da foto, possa reconstruir a fotografia. Não se trata de “dados invioláveis”, como Francisco ressalva, mas para lá se caminha, espera. Só o facto de o utilizador ter a foto no dispositivo móvel constituiu uma “vulnerabilidade em si mesma”. No entanto, ao nível do armazenamento na “nuvem”, a equipa acredita que não existe nada tão seguro no mercado.

A forma como os utilizadores utilizam a internet também dificulta a capacidade de os dados serem protegidos. “A segurança tem sempre um preço – nem que seja na maneira de usar as coisas, tornam-se sempre mais complicadas. E nem sempre as pessoas estão dispostas a pagar esse extra de complicação em benefício da privacidade”, afirmou Francisco Maia.

“Estamos inundados de coisas que nos obrigam a partilhar e a publicar e nem sempre questionamos”, afirmou o investigador de 29 anos. Sabendo que “existe sempre esse perigo”, acredita que é possível “cortar caminho” e mostrar à sociedade que “está a ir no caminho errado”. As não tão raras fugas de informação a que o mundo tem vindo a a assistir têm ajudado “a diminuir rapidamente o espaço entre a dificuldade de ter segurança e a importância que os utilizadores lhe dão”, constaram os investigadores.

Como a Jennifer Lawrence inspirou 10 investigadores

A ideia na base da SafeCloud Photos surgiu enquanto os investigadores do HasLab discutiam as fugas de informação vindas de plataformas como a Wikileaks. Francisco lembra-se de conversarem sobre o caso que envolveu a atriz Jennifer Lawrence e de perguntarem como seria possível evitar aquilo que consideraram um ataque à privacidade.

De conversa de corredor à mesa de trabalho foi um passo rápido. Quando perceberam, a discussão já incluía parceiros na Europa e estava prestes a formar-se um projeto europeu, liderado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores da universidade do Porto (INESC TEC) para combater a violação de dados privados. O objetivo é solucionar o problema das falhas de privacidade em serviços de gigantes da informática como a Google e a Microsoft.

A Europa está numa posição em que precisa de preservar a privacidade dos seus dados internos, por exemplo, contra espionagem de agências governamentais”, acredita.

Mas ao mesmo tempo que o projeto começava a nível europeu, os investigadores portugueses depararam com tecnologia que acharam viável para o consumidor comum e decidiram esta aplicação “para toda a gente”.

Nos dois anos que se seguem, o projeto quer ser mais do que uma aplicação e trabalhar ao nível das comunicações e do processamento dos dados no lado da cloud é o passo que se segue. “Ainda vai surgir muita investigação por detrás disso”, adiantou Francisco. Para o utilizador comum prevê-se que saiam em breve outras soluções, entre “umas mais óbvias e outras mais interessantes e secretas.” O produto vai ser apresentado na Web Summit, a decorrer em Lisboa de 8 a 10 de novembro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)