Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo. Acelerar o Portugal 2020 deve ser consensual, mesmo com eleições autárquicas

O Presidente da República disse que é essencial acelerar a execução dos fundos comunitários do Portugal 2020 e defendeu que, mesmo com a aproximação das eleições autárquicas, esse deve ser um consenso nacional.

PAULO NOVAIS/LUSA

O Presidente da República disse que é essencial acelerar a execução dos fundos comunitários do Portugal 2020 e defendeu que, mesmo com a aproximação das eleições autárquicas, esse deve ser um consenso nacional.

O chefe de Estado falava em Aveiro na sessão de abertura do seminário “Portugal 2020: Os Fundos Comunitários e as Autarquias Locais”, promovido pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e cuja realização o Presidente da República incentivou.

“A grande finalidade deste encontro é ser mobilizador para todos: para o Governo e para as autarquias”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que é preciso recuperar atrasos e defendendo um “compromisso de regime” para esse desiderato.

“É fundamental não desperdiçar esta oportunidade única do 2020. Na situação em que a Europa se encontra pode acontecer que não haja uma oportunidade igual para crescer e criar emprego e, por essa via motivar uma coesão social, indissociável da estabilidade”, declarou.

O Presidente da República referiu a “baixa taxa de compromisso” até julho do Portugal 2020 que é preciso acelerar “num momento em que Portugal precisa dessa realidade para compatibilizar os equilíbrios financeiros com o crescimento económico e o emprego”.

“Há diferentes caminhos, mas isso não pode impedir que uns e outros em domínios como o Portugal 2020 possam dialogar e criar aproximações e o Presidente da República continua a pensar que não há fossos intransponíveis. A prova disso é o poder local. Desde sempre os autarcas têm sabido criar convergências de posições e essa experiência tem de chegar à política nacional”, defendeu.

Renovando o apelo a consensos entre as diferentes forças políticas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que “só uma visão de médio e longo prazo cria esperança nos portugueses”, elegendo como áreas a obter compromissos a Educação, a Saúde e a Segurança Social.

“Assistimos diariamente a um discurso político de “alívios” de um lado e “dramatizações” do outro, mas não pode ser assim. Há um país que exige perspetivas de médio e longo prazo, um projeto nacional, o que até não parece difícil. Temos de deixar de miniciclos experimentais na Educação, Saúde e Segurança Social”, advogou.

Falando para um auditório constituído por autarcas, o Presidente da República considerou a reforma do poder local outro dos grandes desafios nacionais, rompendo a cultura de centralismo enraizada.

“A descentralização que o Governo se propõe avançar, se reforçar as funções autárquicas, com os correspondentes recursos, só pode merecer aprovação”, concluiu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)