Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Análises da caixa-negra do comboio que descarrilou, na sexta-feira, na Galiza e que resultou na morte de quatro pessoas, entre eles um português, mostram que o veículo circulava a 118 quilómetros por hora. O maquinista, que era português, recebeu diversos avisos para abrandar, segundo o Tribunal Superior de Justiça da Galiza.

Os comboios podem circular a cerca de 100 quilómetros por hora quando passam naquela zona. No entanto, obras de manutenção na via obrigaram o comboio a desviar para uma linha secundária na qual o limite de velocidade era de 30 quilómetros/hora, adianta o El País.

O comboio fazia o trajeto Vigo-Porto e era operado pela CP e pela empresa espanhola Renfe. A caixa negra – que regista a velocidade do comboio, a distância e os sinais que recebeu – foi aberta na presença de representantes das duas empresas, bem como das gestoras das redes ferroviárias dos dois países: a Infraestruturas de Portugal e a espanhola Adif.

Os destroços do comboio continuam em O Porriño e estão a ser analisados por especialistas.

Corpo do motorista vai ser transladado

As autoridades da Galzia já afirmaram que vão entregar o corpo do maquinista português que morreu no acidente para que este possa ser transladado para Portugal. A polícia científica espanhola já confirmou a identidade do motorista com recurso às impressões digitais. As autoridades espanholas “confirmaram oficialmente a identidade do falecido português e já se está a fazer a entrega do corpo”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta terça-feira de manhã tinha ficado em dúvida se o corpo poderia ser transladado, já que não tinha sido possível identificar o corpo com recurso aos documentos enviados de Portugal.

O corpo deve ainda chegar a Portugal esta terça-feira.