O projeto de restauro e recuperação da Igreja e Torre dos Clérigos, no Porto, venceu a 9.ª edição do Prémio Vasco Vilalva, no valor de 50 mil euros, anunciou hoje a Fundação Calouste Gulbenkian.

De acordo com esta entidade, o prémio, atribuído anualmente, distinguiu “este conjunto patrimonial e a qualidade geral da intervenção de conservação e restauro realizada por ocasião da comemoração dos 250 anos da construção da torre, o seu principal ícone visual”.

Classificado Monumento Nacional em 1910, a Igreja e Torre dos Clérigos é propriedade da Irmandade dos Clérigos, e o projeto da sua recuperação e restauro foi elaborado por uma equipa multidisciplinar.

Ainda segundo a Gulbenkian, o júri foi unânime na decisão, sublinhando “o respeito pela integridade física dos sistemas construtivos existentes, preservados e restaurados com recurso a técnicas tradicionais, as adequadas metodologias de conservação e restauro do património artístico integrado”, que permitiram recuperar e revalorizar retábulos, órgãos, sanefas, púlpitos, varandins, escaiolas ou pinturas de fingimento, entre outros elementos iconográficos e decorativos.

Destaca ainda que “o valioso património móvel, onde pontuam, entre numerosas peças de âmbito litúrgico, esculturas e pinturas sobre tela e madeira, foi objeto de tratamento e recolocação adequados, devolvendo-se ao conjunto a dignidade e os valores perdidos”.

A obra, que representou um investimento de três milhões de euros, cofinanciado pelo Programa Operacional Regional ON2 e pelo Programa Jessica, ficou concluída em junho de 2015, recorda a Gulbenkian no comunicado.

O júri decidiu ainda atribuir uma menção honrosa ao projeto das novas instalações da Sede da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitetos, da autoria do atelier NPS (Neto, Pereira, Silva) Arquitetos Associados.

Neste projeto, o júri sublinhou a “recuperação, com sensibilidade, dos elementos construtivos e decorativos característicos de duas moradias dos finais do século XIX, quase gémeas, em que o logradouro comum foi utilizado para as reunir através de um corpo novo onde são satisfeitas, de forma discreta, algumas necessidades programáticas da instituição”.

Sublinhou ainda que “esta exemplar intervenção em património é referencial, por ser promovida, na sua sede, por uma instituição com grande responsabilidade na formação dos seus jovens membros”.

O júri do Prémio Vilalva foi constituído por Dalila Rodrigues, António Lamas, José Pedro Martins Barata, José Sarmento de Matos e Rui Esgaio.

A cerimónia pública de entrega do Prémio Vilalva 2015 realiza-se no dia 20 de setembro, às 17:00, na Igreja dos Clérigos, no Porto.