A Rússia disse que as forças do regime de Bashar al-Assad estão a respeitar plenamente o cessar-fogo na Síria e que os combatentes rebeldes já o violaram em 23 ocasiões.

“As tropas do governo sírio deixaram completamente de disparar, com exceção das áreas onde os combatentes dos (grupos ‘jihadistas’) Estado Islâmico e Jabhat al-Nusra estão ativos”, disse o general russo Viktor Poznikhir numa conferência de imprensa.

Adiantou que as forças da “oposição moderada” dispararam 23 vezes contra áreas residenciais e posições do regime, nomeadamente em Alepo (norte), Damasco (sul) e Hama (centro).

O acordo de cessar-fogo concluído na sexta-feira entre os Estados Unidos e a Rússia (apoiantes dos rebeldes e do regime, respetivamente) entrou em vigor às 19h00 (17h00 em Lisboa) de segunda-feira.

Grupos de militares russos foram destacados para missões de observação do cessar-fogo.

A paragem nos combates deve permitir o envio de ajuda humanitária urgente às centenas de milhares de pessoas que vivem nas zonas sitiadas, nomeadamente na parte rebelde de Alepo, a segunda cidade da Síria.

Para o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que negociou o acordo com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, as tréguas poderão “ser a última oportunidade para salvar” a Síria.

O conflito já causou mais de 300.000 mortos desde março de 2011, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, e obrigou à fuga de milhões de pessoas.