O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) atribuiu dois financiamentos de um milhão de dólares cada para apoiar Cabo Verde e a Guiné-Bissau para combate e prevenção do vírus Zika nos dois países lusófonos, anunciou hoje a instituição.

“A aplicação das verbas vai estar a cargo da Organização Mundial de Saúde (OMS) e espera-se que sirva para fortalecer a vigilância sanitária e controlo da transmissão” do vírus, refere o banco em comunicado.

O BAD considera “provável que o Zika se espalhe pelo resto de África“, pelo que, “depois da experiência com o vírus Ébola”, pretende-se promover uma resposta “concentrada e em tempo oportuno”.

Os casos de Ébola e Zika são uma chamada de alerta para todos os governos africanos que têm desinvestido nos sistemas de saúde pública”, destaca Akinwumi Adesina, presidente do BAD, citado no documento.

A decisão foi anunciada hoje, mas tomada numa reunião de direção do BAD no dia 08 de setembro.

O vírus Zika é transmitido através da picada de mosquitos e pode provocar complicações neurológicas, sobretudo anomalias no desenvolvimento cerebral (microcefalia) em fetos de mães infetadas.

O vírus está presente em 60 países, sendo o Brasil o país mais afetado pela atual epidemia.