Durão Barroso

Marcelo espera que Comissão Europeia adote posição “igual para todos” no caso de Durão

Presidente da República Portuguesa considerou que a Comissão Europeia deve manter uma posição "igual para todos", comentando o caso do ex-primeiro-ministro Durão Barroso.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Presidente da República Portuguesa considerou esta quarta-feira que a Comissão Europeia (CE) deve manter uma posição “igual para todos”, comentando o caso do ex-primeiro-ministro luso Durão Barroso e sua contratação pela instituição financeira Goldman Sachs.

A CE, certamente, não terá posições discriminatórias. A posição que adotar, no futuro, valerá para todos“, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, à margem do 12.º encontro do Grupo de Arraiolos, que reúne chefes de Estado europeus sem poderes executivos e decorre até quinta-feira entre Plovdiv e Sofia, Bulgária.

O antigo presidente da Comissão Europeia e do PSD José Manuel Durão Barroso considerou que as recentes posições do executivo comunitário sobre a sua ida para a Goldman Sachs são discriminatórias contra si e contra o banco de investimento, além de inconsistentes.

Segundo responsáveis de Bruxelas, Durão Barroso deixará de ser recebido como antigo responsável daquela instituição europeia e terá de dar explicações ao executivo europeu sobre a sua relação contratual com a Goldman Sachs.

É natural que haja um tratamento não discriminatório. Houve um ex-presidente da Comissão Europeia e vários comissários que saíram para instituições financeiras, até especificamente para a mesma. É natural que haja uma regra geral de tratamento das situações”, continuou o chefe de Estado português, escusando-se a alongar o comentário.

Marcelo Rebelo de Sousa foi também questionado sobre as trocas de palavras em Portugal acerca de um eventual segundo pedido de resgate financeiro, bem como sobre a sua intenção de vetar ou submeter a fiscalização constitucional o diploma do Governo socialista que prevê a obrigação da banca comunicar à Autoridade Tributária saldos acima de 50 mil euros de cidadãos residentes em Portugal, mas preferiu não comentar questões internas no estrangeiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)