O Ministério Público acusou um casal de nacionalidade chinesa por ter causado a morte, por abandono agravado, de uma criança de cinco anos que, em fevereiro passado, caiu de um 21º andar, em Lisboa. Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), os arguidos estão indiciados por, às 0h00 de 19 de fevereiro passado, terem deixado a filha de cinco anos sozinha a dormir na casa onde residiam, no Parque das Nações, em Lisboa, para irem jogar ao Casino Lisboa.

O Ministério Público requereu o julgamento coletivo do casal de nacionalidade chinesa, pela prática de um crime de exposição ou abandono agravado, acrescenta a PGDL.

Às 2h20, a menor acordou, abriu a porta da varanda, escalou o gradeamento, debruçou-se e caiu do 21º andar para o terraço do piso zero do edifício, tendo sofrido lesões que lhe provocaram a morte, acrescenta a PGDL.

Os arguidos, que à data dos factos residiam na Torre de S. Rafael, em Lisboa, estão sujeitos a apresentações semanais às autoridades policiais e proibidos de se ausentarem para o estrangeiro, refere a PGDL. O inquérito foi dirigido pelo Ministério Público do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, em colaboração com a Polícia Judiciária.