O supertufão Meranti, que entretanto passou a depressão tropical, causou pelo menos 13 mortos à sua passagem pela China, havendo ainda outras 14 pessoas desaparecidas, segundo revelaram hoje as autoridades locais”.

Na província chinesa de Fujian, localizada em frente de Taiwán, morreram sete pessoas por causa do tufão, revela a agência oficial Xinhua. Cerca de 331 mil pessoas foram realojadas em Fujian, onde as autoridades locais calculam estragos num valor equivalente a 222 milhões de euros.

O tufão causou também um apagão na cidade de Xiamen, onde o fornecimento de energia elétrica não está ainda totalmente restabelecido, assim como danos nas linhas ferroviárias, com 61 rotas de comboios a terem de ser alteradas, pelo menos, até 25 de setembro.

Outra região especialmente afetada pelo tufão – o mais forte deste ano em todo o mundo – foi Zhejiang, onde morreram seis pessoas e outras cinco permanecem desparecidas.

Nesta região, mas de 70 mil pessoas foram realojadas e os danos ascendem ao equivalente a 232 milhões de euros, segundo as autoridades locais.

O supertufão Meranti passou a depressão tropical na quinta-feira à noite e deslocou-se para norte, provocando chuvas fortes em diversas regiões da China. Por causa da sua influência, a cidade de Xangai registou na sexta-feira as chuvas mais intensas deste ano.

Antes de atingir a China, o Meranti passou por Taiwan, causando também danos significativos, um morto e cerca de 50 feridos.

Tratou-se do pior tufão a atingir Taiwan nos últimos 21 anos. Este foi também o pior tufão em Fujian desde que há registo: ou seja, desde 1949.

Taiwan prepara-se já para outro tufão (Malakas), de menor intensidade, que deverá atingir hoje a ilha, com ventos até 180 quilómetros por hora.