A explosão no bairro de Chelsea, em Nova Iorque, não deverá ter ligações a terrorismo internacional. A confirmação foi dada pelo governador do Estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, em declarações à imprensa. “Claro que uma bomba a explodir em Nova Iorque é um ato de terrorismo, e é dessa forma que o caso está a ser investigado. Mas o ato não foi reivindicado por organizações terroristas internacionais”, disse Cuomo, cita a BBC.

Temos sorte que não tenha havido mortes. Quem quer que tenha colocado as bombas, nós vamos descobrir e essa pessoa vai ser julgada”, disse Andrew Cuomo

A explosão deste sábado à noite provocou 29 feridos. Na altura, um deles ficou ferido com gravidade após sofrer uma perfuração, mas já todos os feridos tiveram alta. Testemunhas citadas por meios de comunicação locais dizem que se tratou da explosão de um artefacto que estava dentro de um caixote de lixo, na Rua 23, perto da Sexta Avenida. Um segundo dispositivo, encontrado numa panela de pressão que estaria ligada a um telemóvel, foi entretanto desmantelado.

O incidente, que ocorreu por volta das 21h locais (2h deste domingo em Lisboa), seguiu-se à explosão, horas antes, de um artefacto num outro caixote do lixo em Nova Jersey, estado vizinho de Nova Iorque, na localidade de Seaside Park, que não provocou feridos nem danos materiais. Não é certo que estes dois incidentes estejam relacionados.

O primeiro dispositivo explodiu num caixote do lixo na rua 23, entre a sexta e a sétima avenida. Um vídeo (em baixo) mostra o momento da explosão e como as pessoas começaram imediatamente a fugir.

Depois da primeira explosão a apenas alguns quarteirões do Empire State Building, que testemunhas dizem ter soado “como um vulcão”, a polícia removeu um outro dispositivo suspeito no mesmo bairro de Nova Iorque, desta vez na rua 27. De acordo com o departamento da polícia, o dispositivo, que estava numa panela de pressão, foi retirado pela brigada de minas e armadilhas e não chegou a explodir.

Citadas pela Associated Press, as autoridades afirmam se tratava de uma panela de pressão ligada a vários fios e a um telemóvel com fita adesiva preta. As panelas de pressão foram os artefactos usados pelos bombistas que protagonizaram, em 2013, o ataque mortífero na Maratona de Boston.

O presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, adiantou ainda em conferência de imprensa no local que, apesar de a explosão ter sido intencional, não existe uma “ameaça específica e credível contra a cidade de Nova Iorque” de nenhuma organização terrorista. “Não há indícios, neste momento, de uma ligação terrorista a este incidente. Esta é uma informação preliminar”, disse o presidente da câmara, prometendo uma investigação “muito cuidadosa”.

Segundo a polícia, a causa da explosão ainda não é clara, mas não se tratou de gás. “Acreditamos que foi intencional”, disse Bill de Blasio, O presidente da câmara garantiu, no entanto, não haver uma ameaça terrorista “particular neste momento” contra a cidade de Nova Iorque.

Fonte oficial da Casa Branca divulgou que o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi logo informado sobre a explosão, cujas causas “continuam a ser objeto de investigação”. “O Presidente receberá informação à medida que novos dados estejam disponíveis”, acrescentou a mesma fonte.

Donald Trump foi o primeiro a dar a notícia da explosão em Nova Iorque, mesmo antes de as informações terem sido confirmadas pelas autoridades policiais. Falando ainda no aeroporto do Colorado, acabado de aterrar, o candidato republicano foi alarmista e afirmou que os EUA tinham de ser fortes na resposta. “Temos de ser fortes, inteligentes e vigilantes e vamos acabar com esta ameaça”, disse.

“Devo dizer-vos que uma bomba explodiu em Nova Iorque e ninguém sabe exatamente o que está a acontecer. É terrível o que se está a passar no nosso mundo e no nosso país e por isso é melhor que estejamos fortes, inteligentes e vigilantes”, acrescentou.

Também a candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, disse aos jornalistas que já tinha recebido as primeiras informações sobre as bombas em Nova Iorque e Nova Jérsia. “Temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para apoiar aos meios que estão no terreno, rezar pelas vítimas e deixar a investigação em curso decorrer”, disse.

Foi recomendado aos habitantes da zona que se mantivessem afastados das janelas, por precaução.

Nova Iorque está sob medidas especiais de segurança porque acolhe na segunda-feira uma cimeira sobre refugiados e migrantes e, a partir de terça-feira, a reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas. O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, chega este domingo às 20h (hora portuguesa) a Nova Iorque para a Assembleia-Geral da ONU, onde estará até quinta-feira. Segundo fonte da presidência confirmou ao Observador, a viagem não foi alterada em função das explosões desta noite.

O bairro de Chelsea (no mapa, em baixo) é um bairro histórico residencial de Manhattan a apenas um quarteirão do Empire State Building, e delimitado a norte pelo bairro de Hell’s Kitchen. Quase inteiramente residencial, e com uma vasta diversidade étnica e social, a parte ocidental do bairro de Chelsea tem-se tornado num centro de arte de Nova Iorque, com muita galerias a localizarem-se naquela zona.

Bairro de Chelsea, Manhattan