O número de vítimas mortais do atentado suicida de sexta-feira numa mesquita na região de Mohmand, noroeste do Paquistão, com cerca de 200 fiéis, subiu para 36, incluindo oito crianças, anunciaram este domingo as autoridades locais.

“Compilámos uma lista das vítimas da explosão, que inclui 36 mortos e 27 feridos. Pelo menos oito crianças com menos de 10 anos estão entre os mortos”, disse Naveed Akbar, um dos responsáveis da administração do distrito tribal de Mohmand, à AFP.

“Muitas crianças foram atingidas na explosão porque estavam a rezar nas últimas filas da mosquita, onde o bombista suicida se fez explodir”, acrescentou.

“Um bombista suicida que estava entre os fiéis imolou-se à entrada da mesquita. Gritou ‘Alá é grande!’. Pelo menos 23 pessoas morreram e outras 29 ficaram feridas”, tinha afirmado à agência EFE Naveed Akbar, sem incluir nos mortos o próprio terrorista.

A mesma fonte assegurou que “todos os feridos foram transferidos para hospitais em Charsadda e Peshawar”, na província de Khyber Pakhtunkhwa.

O atentado ocorreu na sexta-feira, perto das 13:30 hora local (09:30 em Lisboa), na mesquita Gul Muhamand, na região de Mohmand, situada nas áreas tribais do noroeste do país, disse um outro responsável pela segurança da zona, Gulab Khan.

“Mais de duzentas pessoas participavam na oração de sexta-feira e teme-se que haja mais vítimas”, indicou, logo na sexta-feira, este elemento da polícia tribal.

O ataque aconteceu um dia depois de terem terminado as celebrações do Eid al-Adha, a festa muçulmana do sacrifício.

Na terça-feira, no primeiro dia destas festividades, dois polícias morreram e quatro ficaram feridos quando uma bomba foi acionada à passagem de um veículo policial em Quetta (oeste). Horas antes, uma mesquita xiita do sul do Paquistão tinha sido visada num ataque realizado por um terrorista suicida, que se fez explodir.