505kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Base de dados da Operação Marquês é quase o dobro dos Panama Papers

Este artigo tem mais de 5 anos

Base dados de documentos da Operação Marquês tem quase o dobro do tamanho da dos Panama Papers. São mais de 4,2 de terabytes que representam mais de 9 milhões de ficheiros informáticos.

i

Álvaro Isidoro / Global Imagens

Álvaro Isidoro / Global Imagens

A base de dados de documentos da Operação Marquês, reunida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Central (DCIAP), já ultrapassa os 4,2 terabytes (Tb) — a que correspondem 9.005.986 ficheiros informáticos.

Tal valor representa quase o dobro da base de dados que deu origem ao caso dos Panama Papers. Classificada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI) como a maior fuga de informação de sempre, pondo a nu as atividades do escritório de advogados Mossack Fonseca, na construção de uma rede tentacular de sociedades offshore, a base de dados originalmente transmitida aos jornalistas Bastian Obermayer e Frederik Obermaier do jornal alemão Süddeutsche Zeitung não ultrapassou os 2,6 Tb. Tal base de dados resultou em mais de 11,5 milhões de documentos (não confundir com ficheiros informáticos).

Desde 2015, a base de dados dos Panama Papers continua a ser pesquisada por mais de 400 jornalistas que fazem parte do CIJI.

A base de dados da Operação Marquês resultou essencialmente da documentação bancária e comercial enviada por diversos países europeus, como a Suíça, Luxemburgo e Reino Unido, mas também da apreensão de documentos realizada através de mais de 156 buscas. Dos mais de 9 milhões de ficheiros informáticos, estão impressos 2.847 documentos em suporte de papel.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Igualmente relevantes são as escutas telefónicas realizadas a 84 alvos (leia-se aparelhos telefónicos — e não pessoas), das quais resultaram 80.730 sessões de voz analisadas pela equipa de investigação do DCIAP liderada pelo procurador-geral adjunto Rosário Teixeira.

Estes dados constam do comunicado emitido pela Procuradoria-Geral da República no dia 14 de setembro a anunciar que a investigação teria mais 6 meses para encerrar o inquérito, assim como dos despachos emitidos por Amadeu Guerra, diretor do DCIAP, e da procuradora-geral da República que fundamentaram a decisão de adiamento de Joana Marques Vidal.

Eis um resumo dos dados da investigação que tem José Sócrates como principal arguido:

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.