460kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Jovens portugueses fumam e bebem menos do que a média europeia

Este artigo tem mais de 5 anos

Jovens portugueses estão abaixo da média europeia no que toca ao tabaco, álcool e drogas. Mas há um dado preocupante: Portugal é dos países em que os jovens consomem mais sedativos e tranquilizantes.

i

INÁCIO ROSA/LUSA

INÁCIO ROSA/LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A percentagem de jovens portugueses de 16 anos que já consumiram tabaco, álcool e drogas diminuiu, segundo dados do SICAD (Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências) apresentados esta terça-feira. Os dados resultam de um inquérito europeu, realizado em 2015 em 35 países, no qual participaram 96.043 alunos de 16 anos, incluindo 3.456 portugueses. O estudo analisou as respostas dos jovens de 16 anos sobre consumo de tabaco, álcool, drogas e outros comportamentos aditivos.

Tabaco

A percentagem de jovens que já experimentaram tabaco diminuiu, e mantém-se bem abaixo da média europeia. De acordo com os resultados do inquérito, 37% dos jovens portugueses de 16 anos já experimentaram tabaco. A média europeia é de 47%. Em relação à frequência, 19% declararam ter consumido no último mês e 9% assumiram consumir diariamente. 24% dos jovens portugueses começaram a fumar aos 13 anos ou antes.

Álcool

No que toca ao álcool, 71% dos jovens portugueses admitiram já ter experimentado (a média europeia está acima, nos 81%). Em Portugal, 66% declararam ter consumido álcool no último ano, e 42% no último mês. Em relação ao consumo excessivo, os números são mais baixos. 22% assumiram ter-se embriagado nos últimos 12 meses, e 9% no último mês. Trata-se também, em todos os valores, de uma diminuição em relação ao último inquérito, de 2011.

Drogas

No que toca ao consumo de drogas ilícitas, o estudo refere que a percentagem está a estabilizar. Em Portugal, 16% dos alunos de 16 anos já experimentaram algum tipo de droga, uma descida de dois pontos percentuais relativamente a 2011. A mais experimentada continua a ser a canábis, com 15% dos estudantes a já terem experimentado. Relativamente a outro tipo de drogas, apenas 4% assumiram ter usado. Outro fator relevante: 31% dos jovens portugueses desta idade consideram que é fácil ou muito fácil ter acesso a drogas ilícitas. Também nos números referentes ao consumo de drogas Portugal se situa abaixo da média europeia.

Jovens portugueses são dos que mais consomem tranquilizantes com receita médica

O estudo reflete ainda outros comportamentos aditivos, como o consumo de medicamentos (com e sem receita médica). Em Portugal, 5% dos jovens de 16 anos consomem medicamentos sem receita médica, e 13% com receita médica. A tendência verifica-se sobretudo no sexo feminino. Neste aspeto, Portugal só fica atrás da Letónia, sendo o segundo da Europa com mais consumo de tranquilizantes e sedativos com receita médica.

Em relação ao jogo, 20% dos alunos de 16 anos portugueses assumem jogar online, uma atividade que é predominantemente masculina. Já em relação ao jogo a dinheiro, 6% dos jovens portugueses admitem esta prática.

Os números relativos a Portugal estão, na maioria dos indicadores, abaixo da média europeia, explica a equipa coordenadora do estudo. O nível mais preocupante é o da utilização de tranquilizantes e/ou sedativos com receita médica, que apresenta valores muito elevados. Já em relação às médias europeias, que baixaram desde o último inquérito, em 2011, os coordenadores do estudo explicam que a entrada de países com valores mais baixos na União Europeia, desde há quatro anos, motivou a diminuição dos números, no geral.

Para os coordenadores do estudo em Portugal, é necessário “continuar a investir na prevenção dos consumos entre os adolescentes”, de forma a “promover pelo menos a redução da frequência desses consumos até que se consiga atingir níveis residuais”. E alertam ainda para a importância da “monitorização dos ‘outros comportamentos aditivos’, que, num futuro próximo, poderão vir a constituir um problema”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.