Rádio Observador

Desemprego

Estado deixa sem prestações de desemprego perto de 352 mil desempregados

Estado português atribuiu cerca de 215 mil prestações de desemprego em agosto. Neste mês existiam 215.330 beneficiários de prestações de desemprego, menos 2.860 pessoas do que em julho.

Os últimos dados divulgados pelo INE, relativos a julho, contabilizavam um total de 567,3 mil desempregados

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Estado português atribuiu cerca de 215 mil prestações de desemprego em agosto, deixando sem estes apoios perto de 352 mil desempregados, de acordo com as contas feitas pela agência Lusa com base nos últimos dados oficiais disponíveis.

De acordo com os dados disponibilizados na página da Segurança Social, em agosto existiam 215.330 beneficiários de prestações de desemprego, menos 2.860 pessoas do que em julho e o equivalente a 38% do último número total de desempregados contabilizados pelo Instituto Nacional de Estatística (estimativas provisórias de julho).

Os últimos dados divulgados pelo INE, relativos a julho, contabilizavam um total de 567,3 mil desempregados (mais 0,3% face ao valor definitivo de junho), com a taxa de desemprego a situar-se nos 11,1% (igual a junho).

Das prestações contabilizadas pela Segurança Social, 111.014 referem-se a mulheres e as restantes 104.316 dizem respeito a homens.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em agosto o valor médio de 457,31 euros, face aos 454,20 euros registados um ano antes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)