As remessas dos emigrantes caíram 25,9% em julho, para 235,9 milhões de euros, enquanto as verbas enviadas pelos imigrantes em Portugal desceram 13,8%, para 45,14 milhões, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com a informação estatística que consta na página da instituição e que servirá de base aos dados que vão ser apresentados no Boletim Estatístico, na quinta-feira, e que a Lusa já consultou, as remessas dos emigrantes portugueses também apresentaram uma queda significativa quando comparadas com o mês anterior: 22,4%.

Em junho deste ano, os emigrantes enviaram para Portugal 304,4 milhões de euros, enquanto em julho — último mês para o qual há dados disponíveis — remeteram 235,9 milhões de euros.

A queda também é visível nos trabalhadores estrangeiros em Portugal, mas em muito menor dimensão: em junho, os imigrantes em Portugal enviaram para os seus países de origem 46,5 milhões, enquanto que em julho despacharam 45,1 milhões, o que revela uma queda de 2,9%.

A queda nas remessas dos imigrantes só é mais significativa quando se compara julho deste ano com o mês homólogo do ano passado: 13,8%, que revelam a diferença entre os 52,3 milhões de euros enviados em julho de 2015 com os 45,1 enviados em julho deste ano.