Venda do Novo Banco

Presidente do Novo Banco reafirma que “prioridade específica” é venda direta

O presidente do Novo Banco reafirmou que esta quinta-feira que a "prioridade específica" é a venda direta da instituição financeira.

A administração e o Fundo de Resolução aguardam, para já, "as melhores condições para que essa transação seja feita"

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do Novo Banco reafirmou esta quinta-feira que a “prioridade específica” é a venda direta da instituição financeira e considerou “uma boa notícia” que “os quatro concorrentes aparentemente estejam a criar condições para poderem fazer as suas ofertas”.

Sem querer tecer comentários sobre a possibilidade de haver novos concorrentes à compra do banco, António Ramalho justificou esta posição com “todos os acordos de confidencialidade” e “questões de princípio”.

António Ramalho, que falava aos jornalistas à margem da conferência “O Turismo como pilar da economia nacional”, promovida pelo banco a que preside e que esta quinta-feira à tarde decorreu na Universidade do Algarve, adiantou que a administração e o Fundo de Resolução aguardam, para já, “as melhores condições para que essa transação seja feita”.

Questionado pelos jornalistas sobre a hipótese de a venda do banco passar pela entrada em bolsa, aquele responsável disse não querer falar “em mais soluções”, quando “as que estão em cima da mesa estão a correr bem”.

Segundo António Ramalho, apesar dos prejuízos registados no primeiro semestre de 2016, a administração está “particularmente concentrada no equilíbrio do balanço”, pelo que aponta 2017 como “o ano da conta dos resultados”.

Esta semana, o presidente do Novo Banco dirigiu uma carta aos seus colaboradores, já publicada na comunicação social, na qual assume algumas prioridades para o banco, nesta fase.

Na missiva, António Ramalho refere que a administração “continua a apoiar intensamente o Fundo de Resolução na venda direta” e que está em vias de “terminar os trabalhos essenciais à preparação de um eventual IPO [Oferta Pública Inicial] para institucionais”.

A conferência promovida pelo Novo Banco no Algarve foi encerrada pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Banca

Novo Banco, velhos problemas

Helena Garrido

As acusações de má gestão que a Comissão Europeia faz ao Novo Banco têm de ser levadas a sério. Ou Bruxelas anda a brincar com coisas sérias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)