Rádio Observador

Refugiados

Campo de refugiados de Aida é epicentro de confrontos contra soldados israelitas

O campo de refugiados palestinianos de Aida está rodeado por colonatos israelitas. "Resume num único lugar todos os desafios que a Cisjordânia enfrenta", dizem Nações Unidas.

FABÍOLA ORTIZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Rodeado por colonatos israelitas, o campo de refugiados palestinianos de Aida, 1,5 quilómetros a norte da cidade de Belém, tornou-se um epicentro de confrontos entre jovens e o exército israelita.

“Aqui não é o nosso lar, a terra natal é de onde os nossos avôs vieram”, diz à Lusa Murad Abu Srour, 29 aos, que tem estatuto de refugiado porque os seus antepassados são originários de uma das 43 aldeias destruídas em 1948, durante a criação do Estado de Israel.

Belém é conhecida pela Igreja da Natividade, construída sobre a gruta onde Jesus Cristo terá nascido, um centro de peregrinação e turismo religioso cristão encravado na Palestina, mas os 721 quilómetros de muro que cortam os arredores da cidade e demarcam o limite entre o Estado de Israel e a Cisjordânia palestiniana é o símbolo mais evidente da ferida que o conflito israelo-palestiniano mantém aberta.

Os refugiados de Aida convivem diariamente com o vizinho incómodo e humilhante. Em frente ao muro de oito metros de altura, com torres de vigilância a cada 300 metros, há uma escultura de uma chave, a lembrar aos que por ali passam o clamado direito de retorno às terras de onde as primeiras famílias foram expulsas.

“Aida é um ‘hotspot’ (ponto quente). Resume num único lugar todos os desafios que a Cisjordânia enfrenta. Vemos muitos casos de confrontos e uso de gás lacrimogénio. Tudo é muito pior num campo de refugiados, desde desemprego ao acesso a serviços básicos”, disse à Lusa o diretor de operações da agência das Nações Unidas para Apoio aos Refugiados Palestinianos (UNRWA), Scott Anderson.

Em 2015, segundo a UNRWA, foram registadas 84 incursões das Forças de Defesa de Israel (IDF, o exército israelita) resultando na morte de um adolescente, 57 feridos e 44 presos (incluindo 13 menores de idade).

“Não queremos mais enterrar os nossos filhos, queremos que cresçam e sigam o caminho da vida”, diz Murad Abu Srour, que considera o ser refugiado um estigma para toda a vida.

“O meu filho carregará consigo esta identidade. Quero que aprenda a história da Palestina, leve a cultura e o legado dos vilarejos de onde vieram nossas famílias. Eu ouvia do meu avô histórias da sua terra, ele era agricultor e criava carneiros. Nunca pude visitar o local”, lamenta Murad, refugiado de terceira geração e voluntário da ONG Alrowwad no campo de Aida.

Passadas quase sete décadas desde a criação do Estado de Israel, as cicatrizes permanecem abertas e o número de refugiados continua a aumentar saturando os 19 campos de refugiados na Cisjordânia onde vivem 230 mil pessoas.

Segundo as Nações Unidas, existem no total 780 mil palestinianos refugiados a viver na Cisjordânia.

Atualmente vivem no campo de Aida cerca de 5.000 pessoas, mais de 60% crianças e jovens até 24 anos. A média de idade em Aida é de 23 anos e a taxa de desemprego supera os 40%.

Não há clínica médica no campo e os refugiados precisam se deslocar um quilómetro até Beit Jala para receber cuidados médicos.

Murad espera um futuro diferente para a geração mais nova de refugiados que nasceu em Aida. “O direito de regresso (às terras de origem) está sempre na nossa mente. Como podemos pensar em paz se continuam a construir o muro”, questiona.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Um desafio exaltante

Guilherme Valente

O grande desafio do nosso tempo é organizar uma política da emigração justa, viável, bem-recebida, aceitável pelos europeus. A Europa não conseguirá ser de facto o refúgio e o emprego do mundo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)