Rádio Observador

Banca

Iniciar uma relação além-fronteiras: o que diz o seu banco?

Fazer uma empresa sentir-se em casa, mesmo no estrangeiro, não é um compromisso à altura de qualquer banco. Escolha quem o pode apoiar em todos os passos da internacionalização.

MICHAEL M. MATIAS /OBSERVADOR

Imagine que a sua empresa quer dar o salto para o mercado internacional. Estão reunidas, à partida, todas as condições: vontade, equipa motivada, capacidade de investimento, mercado… No entanto, já considerou os aparentes pequenos obstáculos? São estes que se tornam, na maior parte das vezes, desafios gigantes, com capacidade de sabotar o negócio e toda a energia investida.

O início de uma relação bancária noutro país é um exemplo emblemático dessa dificuldade aparentemente inexistente e facilmente subestimada pelos empresários. “Curiosamente, é um dos maiores obstáculos que as empresas enfrentam: o processo de abertura de conta é muito mais complexo, difícil e moroso do que normalmente pensam e não há noção da dificuldade inerente aos controlos de compliance”, afirma Luís Santos, Head of International Desk do Banco Santander Totta

À dificuldade que é abrir uma conta no estrangeiro soma-se outro desafio: ter acesso ao crédito no novo país. Independentemente da experiência que a empresa tem no seu país de origem, a partir do momento em que dá o salto para a internacionalização, é sempre considerada uma startup. “A falta de acesso ao crédito na geografia de destino é uma ‘dor de cabeça adicional’ para as empresas portuguesas”, admite Luís Santos, Head of International Desk do Banco Santander Totta ainda mais quando estão em jogo benefícios fiscais ou concursos para os quais necessitam de dar garantias locais.

Santander Totta International Desk – a relação perfeita começa aqui

Foi a pensar nos obstáculos que as empresas enfrentam na sua jornada além-fronteiras que o Banco Santander Totta criou o International Desk, uma área especializada que visa apoiar a internacionalização das empresas, não só as que querem instalar-se nos países onde o banco está presente como as que pretendem investir em Portugal.

Integrado no programa de apoio Santander Advance Empresas, o International Desk garante o apoio da equipa do país de destino em articulação com os seus gestores de conta locais, facilitando a abertura e agilização de relações bancárias. Atenção personalização multilingue, informação sobre mercados locais, concursos públicos, incentivos ao investimento estrangeiro e acesso a fóruns e eventos comerciais são alguns dos serviços do International Desk, que garantem a ausência de dores de cabeça na nova relação bancária.

Tendo em conta que o banco Santander Totta está presente em vários países da Europa, América, África e Ásia, da Alemanha à Argentina, de Espanha ao Chile, é fácil iniciar uma relação bancária em vários mercados emergentes e consolidados. Cerca de 200 mil clientes do banco Santander Totta já o fizeram um pouco por todo o mundo. “A grande vantagem do International Desk é a forma como facilita o início da relação bancária numa nova geografia, de forma rápida e simplificada, quer nos países onde o Grupo está presente quer naqueles com quem tem parcerias estratégicas”, conclui Luis Santos, Head of International Desk do Banco Santander Totta.

Missão Empresarial – 3 de outubro é dia de oportunidades de investimento

Com o objetivo de ajudar as empresas portuguesas a apostar em mercados inovadores, o Banco Santander Totta associou-se à Missão Empresarial ao Chile à Argentina, promovida pela fundação AIP e a Câmara de Comércio Portugal Atlântico, e organiza, no próximo dia 3 de outubro, um evento de networking para divulgar a iniciativa. Centrado nas oportunidades de investimento no Chile e na Argentina, o evento conta com a participação dos embaixadores dos dois países, economistas e representantes de instituições estratégicas.

O Chile e a Argentina não estão tradicionalmente no radar das empresas portuguesas. No entanto, Luís Santos, Head of International Desk do Banco Santander Totta sublinha a interessante relação retorno/risco que estes países apresentam atualmente: “O Chile é, na América Latina, um dos países mais desenvolvidos e com uma estrutura muito semelhante à generalidade dos países europeus; a Argentina tem um novo Governo que quer abrir a economia do país às importações e investimentos”.

Estes países representam, para Luís Santos, um conjunto de novas oportunidades para os empresários portugueses, permitindo diversificar o risco e a rendibilidade dos projetos, além de estarem a crescer a um ritmo mais interessante do que o dos mercados tradicionais. Numa altura em que o Brasil vive um escândalo político, Angola atravessa problemas complexos, Espanha teve dificuldade em formar Governo e o Reino Unido tem o Brexit às costas, Luís Santos considera que é “indispensável analisar e estudar novos mercados”, que garantam às empresas que querem crescer ganhar dimensão internacional no seu volume de vendas.

O evento de divulgação da Missão Empresarial ao Chile e à Argentina decorre no próximo dia 3 de outubro, a partir das 14h30, nas instalações do Banco Santander Totta, na Rua do Ouro, 88. As inscrições são gratuitas, mas limitadas às vagas existentes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)