Um afro-americano desarmado foi morto na noite de terça-feira pela polícia de El Cajon, Califórnia, conta o New York Times. O homem, na casa dos 30 anos, estava a caminhar pela estrada, entre carros, quando foi abordado pelos agentes da polícia local, que o mataram após observarem uma simulação de um disparo.

O chefe da polícia, Jeff Davis, anunciou em conferência de imprensa na própria noite que dois agentes da polícia de El Cajon responderam ao alerta de que um homem estaria “fora de si”, enquanto caminhava no transito. Um desses pedidos de ajuda ou alerta terá chegado pela irmã do homem, que terá explicado que ele tinha problemas mentais e que estava desarmado.

Na conferência de imprensa, Davis explicou o andamento do acontecimento que resultou em mais uma morte de um afro-americano naquele país: um polícia aproximou-se do homem e tentou controlar a situação; sem sucesso, chegou outro agente com um taser. Subitamente, o homem levou as mãos ao bolso e retirou um objeto, simulando depois apontar para um dos agentes, em posição de disparo. Ambos os polícias dispararam a arma que tinham nas mãos: o taser e a pistola. Está aqui o comunicado da polícia.

Há relatos de que o homem estava com as mãos no ar quando foi atingido, mas a polícia já o veio desmentir, depois de assistir a um vídeo fornecido por uma testemunha. As autoridades pediram à população para não reagir a informações não confirmadas ou pouco rigorosas. Depois de o homem ser atingido e morto pela polícia, várias dezenas de locais começaram uma manifestação.

El Cajon, Califórnia, tem mais de 100 mil habitantes e fica a sensivelmente 25 quilómetros de San Diego.