Ciência

Andar de montanha-russa pode curar pedras nos rins

293

E se lhe dissermos que andar de montanha-russa, além de ser capaz de nos dar a volta ao estômago, pode curar as pedras nos rins? Entre voltas e voltinhas, as pedras saem do nosso corpo.

Os investigadores desenvolveram um modelo 3D de um rim, colocaram-no dentro de uma mochila, e deram 20 voltas na montanha-russa

Jim Cooke

Andar de montanha-russa, nos parques de diversões, pode ajudar a desalojar as pedras nos rins. Esta é a conclusão de um estudo, divulgado esta segunda-feira, no The Journal of the American Osteopathic Association.

David Wartinger, professor na Michigan State University College of Osteopathic Medicine, começou o estudo depois de uma série de pacientes lhe terem contando algo difícil de acreditar: que depois de andarem na Big Thunder Mountain Railroad, a montanha-russa da Walt Disney World, em Orlando, na Florida (EUA), tinham conseguido livrar-se das pedras nos rins. Um paciente, por exemplo, assegurou a Wartinger que tinha expelido a pedra depois de três voltas na montanha-russa.

btr924129LARGE

The Big Thunder Mountain Railroad, na Walt Disney World, em Orlando, Florida.

Para comprovar que os pacientes tinham razão, os investigadores desenvolveram um modelo 3D de um rim, colocaram-no dentro de uma mochila e deram 20 voltas na montanha-russa. Dentro do modelo, colocaram três pedras de rim verdadeiras e um pouco de urina. As pedras tinham diversos tamanhos: uma pequena (4,5 mm), uma média (13,5 mm) e outra grande (64,6 mm). As três pedras foram ainda colocadas em diferentes zonas do rim, para que se pudesse analisar todos os cenários.

Os investigadores escolheram o seu lugar no comboio da Big Thunder aleatoriamente:

A ocupação dos assentos foi aleatória e determinada pelo lugar ocupado na fila de espera”, explicaram.

A equipa de cientistas descobriru que existem alguns lugares melhores que outros, e não apenas pela maior ou menor adrenalina. Os lugares na parte de trás do comboio balançam mais, o que faz com que as pedras nos rins se movam melhor. Nesses assentos, a taxa de sucesso de remoção das pedras no rim foi de cerca de 64%. Os bancos no início do comboio tiveram apenas cerca de 17% de sucesso.

A conclusão do estudo é que:

Os resultados suportam a evidência anedótica de que uma volta, de intensidade moderada, numa montanha-russa pode beneficiar alguns pacientes com pequenas pedras nos rins”, descobriu Wartinger.

Andar de montanha-russa pode ser um bom tratamento preventivo para o problema das pedras nos rins. Os investigadores sugerem ainda que os pacientes que já tiveram pedras nos rins, e que se submeteram a tratamentos como a litotripsia — um procedimento que parte as pedras nos rins em pequenas partículas utilizando ondas de choque –, ou as mulheres que as têm e estão a pensar engravidar, considerem uma emocionante viagem de montanha-russa para desalojar as pequenas pedras antes que elas cresçam.

As pedras no rim são massas duras de minerais de diferentes tamanhos — do tamanho de um grão de areia ou de uma bola de golfe — e que no caso de serem pequenas, acabam por sair do corpo sozinhas, de forma natural mas com uma dor e desconforto consideráveis. Já as pedras maiores raramente saem sem tratamento. Para saírem, as pedras têm de viajar através do uréter, chegar à bexiga e sair pela uretra.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Clima

As crianças que lutam por um mundo pior /premium

Alberto Gonçalves
1.252

Na idade da menina Alice e do menino Gil, fiz diversas greves à escola a pretexto do clima: mal o sol aquecia, trocava as aulas pela praia. Faltou-me ser entrevistado pelos “media”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)