A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou ao DN que está a avaliar uma possível violação do segredo de justiça que envolve Cavaco Silva. Esta notícia, avançada pelo Diário de Notícias, afirma que os factos terão acontecido quando Cavaco Silva era Presidente da República.

O gabinete da PGR, Joana Marques Vidal, esclareceu que “a matéria em questão está a ser objeto de análise”. Esta resposta surgiu na sequência de uma questão colocada pelo DN após o lançamento do livro Na Sombra da Presidência – Relato de 10 anos em Belém, do antigo assessor de Cavaco, Fernando Lima. A mesma fonte confirmou que “o Ministério Público não deixará de tomar as providências que entender por necessárias no âmbito das respetivas competências”.

Segundo o DN, a polémica gira em torno de uma passagem do livro de Fernando Lima em que o autor afirma que o antigo Presidente da República tinha conhecimento de matéria presente no processo Face Oculta. Num parágrafo do livro, o autor escreve: “Quando a transcrição das escutas do Face Oculta foi divulgada, em fevereiro de 2010, para Cavaco Silva não constituía uma novidade que nelas constasse o nome de Luís Montez. Em meados de outubro de 2009, fora informado por um magistrado de que esse processo incluía uma alusão ao seu genro, uma vez que no negócio da PT/TVI estava ainda previsto ser-lhe atribuída uma das rádios da Media Capital, pertencente à Prisa”.

Esta passagem sobre o processo Face Oculta surge para completar a tese de Fernando Lima que pretende responsabilizar aquilo a que chama de “central de controlo socialista” do tempo de José Sócrates pela espionagem e pelas tentativas de intimidação ao Presidente.