457kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Colombianos rejeitam acordo de paz com as FARC

Este artigo tem mais de 5 anos

Numa disputa muito renhida o "não" levou a melhor com 50,24%, contra 49,75% do "sim". Falta apenas apurar 1% das mesas de voto. FARC mantém ânimo e presidente colombiano marca reunião de emergência

i

GUILLERMO LEGARIA/AFP/Getty Images

GUILLERMO LEGARIA/AFP/Getty Images

Os colombianos disseram este domingo “não” a um acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que pretendia pôr fim a 52 anos de conflito armado. Num país praticamente dividido ao meio, e com 99,08% das mesas contadas, o “não” vencia ao final da noite por 50,24% dos votos contra 49,75% do “sim”.

Após a vitória do “não”, o presidente Juan Manuel dos Santos convocou uma reunião de emergência em Nariño. O governante sai fragilizado, depois de quatro anos de um processo de paz que o povo agora não aceitou. A desilusão do lado do “sim” é grande, e há choros e abraços entre os que perderam o referendo. No entanto, a própria guerrilha parece não ter perdido a esperança de alcançar a paz. Na conta oficial do Twitter dá a entender que enterrar o machado de guerra não depende de um referendo, mas de palavras e ações.

Era necessário o “sim” de 4,5 milhões de colombianos (13% dos eleitores) para pôr um ponto final a mais meio século de guerra entre o governo e o maior grupo guerrilheiro da Colômbia. Foram quatro anos de negociações até o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e o líder FARC, Rodrigo Londoño Echeverri (mais conhecido por Timoleon Jimenez ou Timochenko) chegarem a um acordo que ficou firmado em 297 páginas. A Agência Brasil recorda que, em 52 anos de conflito armado, morreram 220 mil pessoas — a maior parte civis. Mais cinco milhões abandonaram as suas casas à procura de paz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A enfermeira Laura Ocampo foi uma delas. Mudou-se para a Argentina. Recorda que os pais, hoje com 80 anos, acompanharam o conflito desde sempre. E que inicialmente os colombianos apoiavam a guerrilha, porque esta defendia a reforma agrária. Hoje, segundo as últimas sondagens, 55% a 66% dos votos devem ser pelo sim. A pergunta a que respondem é: “Apoia o acordo final para o fim do conflito e a construção de uma paz estável e duradoura na Colombia?”. O ex-presidente Álvaro Uribe fez campanha pelo “não”, mas apenas 35% dos colombianos estariam inclinados a rejeitar o processo de paz.

O conflito começou nos anos 60, quando os partidos Liberal e Conservador terão recorrido a armas para solucionarem os seus conflitos. Os agricultores, vítimas da violência, formaram as FARC – inspirados na revolução cubana, que lutava pela reforma agrária e uma economia socialista. Apesar de não ter alcançado seu objetivo, refere a Agência Brasil, as FARC cresceram, chegando a ter 20 mil homens armados.

O acordo prevê que os sete mil guerrilheiros que existem entreguem as armas num prazo de seis meses e que sejam incorporados na vida civil, com direito a formar seu próprio partido politico e disputar eleições. Haverá uma amnistia, mas não para aqueles que cometeram crimes contra a humanidade. O documento também prevê uma reforma agrária e o compromisso de erradicar os cultivos de drogas ilegais, que têm sustentado as FARC.

Presidente da Colômbia admite derrota no referendo sobre o acordo de paz

O Presidente colombiano, Juan Manuel Santos, reconheceu, esta segunda-feira, a vitória do “não” no referendo sobre o acordo de paz assinado com a guerrilha das FARC, mas prometeu continuar os esforços para acabar com a guerra de 52 anos.

Juan Manuel Santos manteve, no entanto, o objetivo de acabar com o conflito: “Não vou desistir e vou continuar a procurar a paz até ao último dia do meu mandato”, afirmou.

Para que a consulta popular seja válida, é necessário um mínimo de 4.536.992 votos “sim”, fasquia que foi ultrapassada.

O acordo de paz foi assinado na segunda-feira, em Cartagena das Índias, pelo Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, e pelo “número um” das FARC, Rodrigo Londoño.

“A paz triunfará”, diz Timochenko

Numa declaração a partir de Cuba, o líder das FARC, Rodrigo Londoño Echeverri (por Timoleon Jimenez ou Timochenko), disse “lamentar profundamente que o poder destrutivo dos que semeiam o ódio e o rancor tenha influenciado a opinião da população colombiana”.

“Com o resultado de hoje, sabemos que o nosso desafio como movimento político é ainda maior e precisa de nós mais fortes para construir uma paz estável e duradoura”, disse o líder da guerrilha aos jornalistas.

Timochenko garantiu ainda que as FARC “mantêm a sua vontade de paz e reiteram a sua disposição de usar apenas a palavra como arma de construção do futuro”, sublinhando que “o povo colombiano que sonha com a paz” pode contar com a organização. “A paz triunfará”, concluiu.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.