Videojogos

Aplicação que dá vida a jogos desenhados num papel criada em Coimbra

157

Uma aplicação desenvolvida em Coimbra vai permitir que qualquer pessoa consiga criar um videojogo através de um papel, caneta e um smartphone. Playsketch chega em 2017.

Para os dois criadores, Playsketch é "muito mais do que a aplicação" em si.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um papel, uma caneta e um ‘smartphone’ chegam para que qualquer pessoa crie um videojogo com a aplicação Playsketch, que está a ser desenvolvida em Coimbra e que tem lançamento previsto para 2017.

“E se fosse possível desenhar jogos num papel e tornar esses jogos desenhados ‘vivos’ numa aplicação?”. Foi esta a ideia inicial que Pedro Santa e Luís Pereira tiveram, quando ainda eram estudantes na Universidade de Coimbra, e participavam no SAPO Codebits, em 2009.

Sete anos depois, estão prestes a lançar a aplicação que promete instigar a criatividade e a imaginação nas crianças, tornando-as responsáveis pela arquitetura dos seus próprios jogos.

Para os dois criadores, Playsketch é “muito mais do que a aplicação” em si. “É uma ferramenta e um brinquedo”, onde poderão ser desenvolvidos vários “tipos de jogos”.

Corridas de carros é o jogo numa fase de desenvolvimento mais avançada, seguido de ‘match 3’ e ‘space invaders’, mas a equipa pensa também aplicar o Playsketch a ‘pinball’, plataformas ou asteroides, entre outros.

Em vez de recorrer à programação – que exige conhecimentos técnicos específicos -, o Playsketch propõem “às pessoas que imaginem no papel o seu jogo. Esta é uma forma muito mais natural de fazer o jogo”, disse à agência Lusa Pedro Santa.

Qualquer pessoa pode agarrar numa folha de papel – se estiver num restaurante “até pode ser o papel da mesa” – e desenhar os elementos do jogo. De seguida, tira uma fotografia, a aplicação reconhece e transforma o desenho, por exemplo, de uma pista de carros, e depois o utilizador acrescenta o local da meta, poças de óleo ou zonas de aceleração e está pronto para jogar, sozinho ou contra outra pessoa num ‘tablet’ ou ‘smartphone’.

No futuro, esta ‘startup’ de Coimbra, sediada no Instituto Pedro Nunes, quer criar uma comunidade ‘online’ de jogadores, em que amigos e desconhecidos possam partilhar os jogos que conceberam, bem como comparar pontuações ou lançar um desafio a alguém.

A aplicação acabará por se subdividir em diversas aplicações ligadas a um tipo de jogo, para não a tornar “demasiado pesada”.

Com tantas possibilidades a explorar, a equipa pretende também que o Playsketch possa chegar às salas de aula.

“Os docentes têm valorizado a nossa ferramenta e veem capacidade educativa para atividades ligadas à expressão plástica ou artística ou até na matemática ou aprendizagem das letras”, realçou Pedro Santa.

“A experiência de um papel em branco é muito libertadora e achamos que isso é uma forma mais natural de as pessoas se expressarem, podendo até inventar histórias” dentro do jogo, contou.

A aplicação, que vai funcionar em Android e iOS, não necessita de qualquer “‘hardware’ especial”, estando direcionada para o mercado familiar e de crianças dos seis aos 12 anos.

Depois da ideia inicial em 2009, o projeto acabou por arrancar em 2014, quando os dois engenheiros informáticos obtiveram o apoio do passaporte para o empreendedorismo do IAPMEI, tendo em 2015 sido selecionados, no âmbito do programa inRes, para uma formação nos Estados Unidos.

Até agora, o projeto tem sido financiado por “sweat capital [capital de suor]” de Luís e Pedro, que têm já “alguns investidores” interessados em entrar numa fase mais avançada da aplicação.

A versão beta, com o jogo de corridas, será lançada publicamente entre o último trimestre deste ano e o início de 2017. No entanto, os interessados podem já pedir para experimentar a versão beta, ao se registarem no site da startup.

A equipa espera lançar publicamente a versão final em 2017, com a expectativa de entreter famílias em torno de uma aplicação em que não é preciso ser-se programador para criar um videojogo. Basta um papel e uma caneta.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)