Eutanásia

Cinco bastonários da Ordem dos Médicos assinam carta contra a eutanásia

578

O actual bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, e os seus antecessores, assinam esta segunda-feira uma carta na qual se manifestam contra a eutanásia, o suicídio assistido e a distanásia.

A eutanásia "não é mais do que tirar a vida"

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O atual bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, e os seus antecessores António Gentil Martins, Carlos Soares Ribeiro, Germano Sousa e Pedro Nunes subscrevem uma declaração, divulgada esta segunda-feira, em que se manifestam contra a prática da eutanásia, o suicídio assistido e a distanásia.

Esta tomada de posição conjunta surge na sequência do primeiro caso de eutanásia infantil na Bélgica e numa altura em que e o Bloco de Esquerda se prepara para levar à discussão em plenário uma petição pelo “direito a morrer com dignidade” com mais de oito mil assinaturas.

Germano de Sousa, ex-bastonário da Ordem dos Médicos entre 1999 e 2005, afirmou em comunicado:

Considerando as anunciadas tentativas de legalização da Eutanásia, os sucessivos bastonários da Ordem dos Médicos, seriamente preocupados pelas consequências éticas, deontológicas e sociais duma eventual aprovação pelo parlamento dessa forma de infligir a morte entenderam redigir a presente declaração dirigida aos médicos e a todos os portugueses, alertando-os contra tal posição, pelo que solicitam a divulgação da mesma”.

Os cinco bastonários opõem-se frontalmente à eutanásia, considerando que “não é mais do que tirar a vida”, assim como o suicídio assistido, afirmando que os médicos que o fazem negam a profissão. Contudo, os profissionais de saúde recusam igualmente a distanásia, por prolongar a vida de doentes sem possibilidade de recuperação.

O médico que as pratique nega o essencial da sua profissão, tornando-se causa da maior insegurança nos doentes e gerador de mortes inaceitáveis”, alertaram os bastonários ao Público.

A petição contra a legalização da eutanásia, “Toda a Vida tem Dignidade”, lançada pela Federação Portuguesa pela Vida, conta com cerca de 1o mil assinaturas, segundo números da organização avançados pelo DN.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Pothoven, laissez-faire e a morte anunciada

António Graça Moura
143

Pothoven ficar-me-á sempre na memória como um símbolo, pelas reações que espoletou, duma sociedade pós-moderna que privilegia as soluções mais imediatas. E que o sistema que a devia ter apoiado falhou

Eutanásia

Tempo de fazer uma pergunta a quem se candidata

Pedro Mota Soares
659

Um dos problemas o plano inclinado é a desistência do Estado em tratar e aceitar a banalização. Na Holanda, de todos os óbitos registados em 2018, 4% foram por eutanásia, mais de 6.100 num só ano.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)