536kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

FMI. Portugal com défice de 3% este ano e no próximo

Este artigo tem mais de 5 anos

Fundo não muda previsões do défice até 2017, ambas com apenas duas semanas, e espera agora um défice nos 2,9% até 2021, o pior registo da zona euro (Grécia não tem dados para esse período).

i

MÁRIO CRUZ/LUSA

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve a previsão do défice de 3% para Portugal este ano e no próximo face ao que tinha dado a conhecer há duas semanas, e piora em uma décima a sua previsão a longo prazo em uma décima. Dívida vai continuar a descer, mas a um ritmo menor.

Portugal ainda poderá estar longe de cumprir a meta do défice acordada com o Conselho da União Europeia e mesmo baixar o défice para menos de 3%, tanto este e no próximo, isto aos olhos do FMI, na atualização do Fiscal Monitor, o relatório do FMI que avalia a situação orçamental dos diversos países, pelo qual o Departamento liderado pelo ex-ministro das Finanças do anterior Governo, Vítor Gaspar, é responsável.

Os ministros das Finanças da União Europeia acordaram no início de agosto dar mais um ano a Portugal para reduzir o défice para menos de 3% e estipularam uma nova meta para o Governo cumprir. A meta, de 2,5% do PIB, é até mais benévola que a meta do próprio Governo no Orçamento do Estado para 2016, conhecido em fevereiro, de 2,2%, mas ainda assim o FMI continua a não acreditar nas contas do Governo.

Os números são piorados até 2021 face aquilo que era projetado em Abril, altura em que publicou pela última vez o Fiscal Monitor, todos em uma décima. Ou seja, o Fundo espera que o défice baixe no máximo em uma décima de 2017 para 2018, mas se mantenha nos 2,9% do PIB até ao final de 2021.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As previsões a mais longo prazo estão, naturalmente, rodeadas de enorme incerteza, devido não só a incapacidade de prever, especialmente a tão longo prazo, as condições económicas, mas também porque não tomam em conta quaisquer medidas de política que não tenham já sido tomadas.

Dívida a descer menos, mas a descer

Ainda com grande incerteza em relação ao que vai acontecer no final do ano, em especial devido à operação de capitalização da Caixa Geral de Depósitos (quando será feita e como será tratada em termos de contas públicas), o Fundo revê o nível a que espera a dívida pública no final deste ano em apenas uma décima e para melhor, de 128,5% para 128,4% do PIB, face ao que esperava há duas semanas. Os números para o próximo ano mantêm-se.

Já comparado com os dados que deu a conhecer em abril, com previsões anuais até 2021, o FMI aponta agora a uma redução da dívida pública menos intensa. Antes, o Fundo apontava a que Portugal chegasse ao final da legislatura com uma dívida nos 125,6% do PIB. Agora espera que a dívida continue a descer, mas que não passe dos 127% nessa altura (2019), mais 1,4 pontos percentuais do PIB.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.