Rádio Observador

Qualidade de Vida

Esperança média de vida aumentou 10 anos desde 1980

A esperança média de vida aumentou mais de uma década desde 1980, mas as pessoas vivem mais tempo com doenças, revela-se num estudo publicado, segundo o qual sete em cada dez mortes resultam de doenças não transmissíveis.

Autor
  • Agência Lusa

A esperança média de vida aumentou mais de uma década desde 1980, mas as pessoas vivem mais tempo com doenças, revela-se num estudo, segundo o qual sete em cada dez mortes resultam de doenças não transmissíveis.

Publicado pela revista The Lancet e resultado de uma parceria com o Instituto para a Métrica e a Avaliação da Saúde (IHME), o estudo sobre o Peso Global da Doença, Lesões e Fatores de Risco (GBD, na sigla em inglês) analisa 249 causas de morte, 315 doenças e lesões e 79 fatores de risco em 79 países e territórios entre 1990 e 2015.

Resulta do trabalho de 1870 especialistas independentes em 127 países e visa ser a fonte de estatísticas sobre saúde mais credível do mundo, para servir como ferramenta para os países, organizações não-governamentais e outros parceiros, na definição de políticas de saúde, como escrevem os autores no editorial da edição da revista.

Segundo os dados agora divulgados, a esperança média de vida aumentou de 61,7 anos, em 1980, para 71,8 anos em 2015 (69 nos homens e 74,8 nas mulheres), mas o conflito e a violência levaram à estagnação e até à redução daquele indicador em muitas regiões.

Na Síria, por exemplo, a esperança média de vida nos homens diminuiu 11,3 anos entre 2005 e 2015.

Já a região da África Subsaariana registou importantes ganhos na esperança média de vida entre 2005 e 2015, ao recuperar de uma era de grande mortalidade devido ao VIH/Sida.

Em termos globais, a taxa de mortalidade diminuiu 17 por cento entre 2005 e 2015, tendência que teve como principais responsáveis a queda das taxas de mortalidade associadas a doenças como a sida (menos 42,1%) e a malária (menos 43,1%) e a complicações associadas ao parto pré-termo (menos 29,8%).

A taxa de mortalidade associada às doenças não-transmissíveis, como doenças cardiovasculares, cancro ou Alzheimer, também caiu, mas não tão depressa (14,1%).

E houve algumas causas de morte que até aumentaram, como a doença de dengue e problemas associados ao consumo de drogas.

Como resultado, 70% das cerca de 56 milhões de mortes registadas em 2015 em todo o mundo deveram-se a doenças não transmissíveis e a problemas associados à droga.

Outra conclusão é que, embora a esperança média de vida tenha aumentado 10 anos, em média, a esperança de vida saudável apenas aumentou uma média de 6,1 anos, o que significa que as pessoas vivem mais anos com doenças e deficiências.

O peso da falta de saúde passou das doenças transmissíveis, doenças associadas à maternidade e à infância e problemas nutricionais para as doenças não transmissíveis, incluindo consumo de drogas, perdas de visão e audição e artrite, devido ao aumento e envelhecimento da população.

Atualmente, concluem os autores do estudo, oito doenças crónicas, incluindo dores de cabeça, cáries e perda de visão e audição afetam, cada uma, mais de uma em cada dez pessoas.

A nova edição do GBD compara, pela primeira vez, o desempenho dos países na saúde com um índice sociodemográfico, que cruza o rendimento médio, a taxa de fertilidade, e o nível de instrução.

A conclusão, diz o diretor do IHME, na Universidade de Washington em Seatle, é que “o desenvolvimento influencia, mas não determina a saúde.

“Temos países que melhoraram muito mais depressa do que seria expectável tendo em conta o rendimento, educação e fertilidade. E também continuamos a ter países, incluindo os EUA, que estão muito menos saudáveis do que deveriam, tendo em conta os seus recursos, explicou Christopher Murray, citado no comunicado da Lancet.

Entre as conclusões do estudo, um vasto trabalho que inclui seis artigos científicos num total de mais de 300 páginas, os cientistas destacam que embora tenha havido progressos na qualidade da água e do saneamento, aumentou a ameaça associada à dieta, à obesidade e ao consumo de drogas.

Mais de 275 mil mulheres morreram na gravidez ou no parto em 2015, a maioria por causas evitáveis, estima ainda o estudo, que alerta que, embora o número de mortes de menores de cinco anos tenha diminuído para metade desde 1990, o progresso nos recém-nascidos é menos impressionante.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

A Integração do Eu - Uma Mudanca de Paradigma

Carla Costa

Quando uma considerável percentagem da população de países desenvolvidos já recorreu a terapias alternativas, figuras de autoridade e influência não podem continuar a fechar os olhos a esta realidade.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)