Escravatura

Nobel da Paz pede esforços para combater escravidão infantil

A comunidade internacional deve redobrar esforços e tomar medidas mais concretas para combater o trabalho e a escravidão infantil, disse à Lusa Kailash Satyarthi, Nobel da Paz de 2014.

AFP/Getty Images

“Há cada vez mais consciência mas muitos governos não dão prioridade ou reconhecem sequer que existe escravatura nos seus países. A magnitude total do problema nem sequer é conhecida, ou seja, não se sabe, em muitos países, quantas crianças trabalham, sem acesso a educação ou sem viver a sua infância”, disse Kailash Satyarthi.

“Lutar contra isto é duro, mas não é impossível. Tem de envolver toda a sociedade, os ‘media’, as organizações civis, Governo e empresas. A liberdade das crianças tem de ser protegida”, afirmou, recordando que o problema afeta 168 milhões de crianças em todo o mundo.

Kailash Satyarthi falava à Lusa em Díli, onde vai participar, nos próximos dias, em vários eventos para assinalar o 20.º aniversário da atribuição do Prémio Nobel da Paz aos timorenses José Ramos-Horta e Ximenes Belo.

Satyarthi está ligado ao movimento indiano contra o trabalho infantil há mais de três décadas e lidera a organização Bachpan Bachao Andolan, que se estima que tenha já ajudado mais de 80 mil crianças a sair da escravatura, contribuindo para a sua educação, reabilitação e reintegração na sociedade.

“Sempre foi e continua a ser um grande desafio. 168 milhões de crianças em todo o mundo estão a trabalhar como trabalhadores infantis e 5,5 milhões são crianças escravos. A escravidão e a civilização não podem conviver”, enfatizou.

“Por um lado, temos tantos avanços no mundo, em tecnologia e noutras esferas, mas por outro lado, as crianças continuam a ser compradas e vendidas como animais, ou até pior do que animais. Isso é inaceitável”, insistiu.

Para Kailash Satyarthi, trata-se de fomentar a consciência e a vontade social e política, fortalecendo instrumentos legais ou condições para os implementar genuinamente.

“Temos de reforçar a capacidade para garantir recursos a quem investiga e combate este problema e também para apoiar a integração, a educação das crianças”, disse.

“E se empresas que usam trabalho infantil devem ser denunciadas e envergonhadas, também deve haver reconhecimento para as que lutam contra este problema e garantem que não há abusos na sua linha de contratação”, sublinhou.

Apesar de o problema não ser muito debatido em Timor-Leste, há casos de trabalho infantil no país, incluindo de jovens do interior que são aliciados por familiares na capital, Díli, com a promessa de acesso a educação e emprego, mas que são depois mantidos quase como ‘trabalhadores domésticos’.

“Em muitos locais, as pessoas confundem a escravidão ou negação de liberdade de crianças com a pobreza. Lidam com esta questão como sendo uma questão de pobreza e não como uma questão de escravidão”, afirmou.

“Mas muitas vezes há uma linha muito fina. As crianças nessa situação vêm de situações de pobreza. Temos de ver se há ou não força ou obrigação, que pode ser económica ou outra, se lhes são negados acesso a outros direitos, incluindo liberdade e educação. E se for o caso, então estamos perante situações de escravatura moderna”, afirmou.

Presidente da Marcha Global contra o Trabalho Infantil, Satyarthi, 52 anos, foi galardoado com o Nobel da Paz em conjunto com a paquistanesa Malala Yousafzai, hoje com 19 anos e a mais jovem laureada com o prémio.

Malala tornou-se num símbolo reconhecido internacionalmente de resistência aos esforços dos talibãs em negar educação e outros direitos às mulheres.

O comité norueguês justificou a escolha com a luta de ambos os ativistas “contra a repressão dos jovens e pelo direito de todas as crianças à educação”, destacando, no caso de Kailash Satyathi, a “grande coragem pessoal” que, “na tradição de Gandhi”, o levou a liderar protestos e manifestações, sempre pacíficos, para denunciar a exploração infantil.

“Contribuiu além disso para o desenvolvimento de importantes convenções internacionais de direitos das crianças”, indicou o comité.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Escravatura

Fernando Rosas não entende o Marquês de Pombal

João Pedro Marques
698

Ao contrário do que diz Fernando Rosas, Portugal foi por intermédio do Marquês de Pombal o primeiro país ocidental a avançar no sentido da abolição e fê-lo por razões de ordem prática e de civilização

Escravatura

Lusotropicalismo ao contrário

João Pedro Marques
289

O Império Português em África não foi uma excepção no tristíssimo capítulo do trabalho coercivo, não obstante o que Fernanda Câncio e outros “lusotropicalistas ao contrário” nos querem fazer crer. 

Escravatura

Só 4% dos navios negreiros partiram de Portugal

João Pedro Marques
1.432

Dos séculos XVI a XIX, 37% das viagens de navios negreiros iniciaram-se no Brasil, 31% na Grã-Bretanha, 13% em França, 5% na Holanda, outros 5% nas Caraíbas e que só menos de 4% partiram de Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)