537kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Banco de Portugal corta previsão de crescimento deste ano para 1,1%

Este artigo tem mais de 5 anos

Banco central reviu de 1,3% para 1,1% previsão de crescimento para este ano. A queda no investimento explica descida. Consumo privado deve crescer menos.

i

TIAGO PETINGA/LUSA

TIAGO PETINGA/LUSA

O Banco de Portugal cortou esta sexta-feira a sua previsão para o crescimento económico este ano, esperando agora que a economia portuguesa cresça apenas 1,1%, passando a ter uma das previsões mais pessimistas, mas acredita que Portugal pode conseguir cumprir a meta do défice acordada com a União Europeia. Economia portuguesa pode voltar a divergir face à zona euro.

Mais más notícias para este ano. Quando o Governo apresentou a sua previsão de crescimento para a economia portuguesa em fevereiro deste ano, na proposta de Orçamento para 2016, foram muitos os que duvidaram que se viesse a concretizar. Mesmo os cenários mais pessimistas estão a ficar ainda mais pessimistas.

Hoje foi a vez do Banco de Portugal cortar a sua previsão de crescimento para a economia portuguesa. A instituição liderada por Carlos Costa previa em junho deste ano que a economia crescesse 1,3%, já de si uma previsão das menos otimistas. No Boletim Económico de outubro, publicado esta sexta-feira, o banco central diz que não espera que a economia cresça mais que 1,1%.

Pior que o Banco de Portugal, só o FMI e o Conselho das Finanças Públicas (ambas as previsões são de setembro), que esperam um crescimento de 1%.

Segundo o Banco de Portugal, o maior pessimismo deve-se, antes de mais, à incorporação de novas previsões para a economia mundial, dadas a conhecer pelo Banco Central Europeu em setembro. A conjuntura externa é menos favorável para a economia portuguesa, com a previsão para o comércio mundial a ser revista em baixa em mais de um ponto percentual.

A confirmarem-se estes números, Portugal vai voltar a divergir face à zona euro. “Depois de dois anos em que o crescimento do PIB foi semelhante à média da área do euro, projeta-se uma divergência real da economia portuguesa em 2016”, diz o banco central.

Ainda assim, não é pelo lado das exportações que a economia portuguesa vai crescer menos, já que a previsão para as exportações até é melhorada para quase o dobro do previsto em junho.

O mesmo não se pode dizer do investimento, um dos indicadores que o ministro das Finanças considerou como fundamentais para atingir os objetivos de crescimento traçados pelo Governo. A variação, face ao que era previsto é de quase dois pontos percentuais. Em junho, o Banco de Portugal esperava que o crescimento crescesse 0,1%, mas agora espera uma queda de 1,8% face a 2015.

Também o consumo privado deve crescer menos que o esperado em junho, mas apenas menos três décimas. O consumo público deve ficar apenas uma décima abaixo do esperado, a confirmarem-se as estimativas do banco central.

Défice de 2,5% é possível, mas há riscos

O Banco central faz ainda uma referência à meta do défice para este ano, sobre a qual não faz qualquer referência, para dizer que, olhando para os dados que são conhecidos para a primeira metade do ano, apontam para que a meta de 2,5% acordada com a União Europeia, mas há riscos (isto sem contar com o efeito positivo que possa chegar através do perdão fiscal anunciado esta quinta-feira pelo Governo).

“A evidência disponível para o primeiro semestre parece sugerir que o objetivo para o défice estabelecido pelo Conselho da União Europeia para o conjunto de 2016 pode ser atingido, devendo sublinhar-se, contudo, que a execução orçamental no segundo semestre continua a ser muito exigente e sujeita a fatores de risco não negligenciáveis”, diz o banco central.

A instituição liderada por Carlos Costa deixa ainda um outro alerta: olhe-se para a dívida pública. “O nível de dívida pública em percentagem do PIB permanece muito elevado e numa trajetória ainda não claramente descendente, o que reforça a importância de cumprir os compromissos assumidos no âmbito das regras orçamentais europeias”, pode ler-se no documento, depois já de relembrar que será necessário um esforço adicional de ajustamento estrutural, já que a meta de médio prazo foi revista este verão e ficou mais exigente (passou de um défice estrutural de 0,5 pontos percentuais para um excedente de 0,25 pontos percentuais).

Desemprego cai mais de um ponto percentual

Uma novidade nestas contas é a previsão para a taxa de desemprego, algo que o banco central não incluía nas suas previsões. Os dados são positivos, apesar do crescimento menor que o esperado, com a expetativa que a taxa desça 1,2 pontos percentuais este ano, fechando o ano nos 11,2%.

Este valor é consistente com uma melhoria esperada nas previsões para o emprego, que o banco central espera que cresça 1%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.