Um vídeo de Donald Trump, onde aparece a gabar-se com um discurso sexista em relação às mulheres, está a marcar a corrida presidencial norte-americana. Em noite de debate entre Trump e Hillary Clinton, a mulher visada nesse vídeo de 2005 deu um passo em frente e comentou o caso.

“O meu nome é Arianne Zucker e eu sou uma mãe forte, independente e trabalhadora, uma mulher de negócios e companheira de um grande homem”, começou por escrever no Twitter. “Aprendi que as palavras dos outros não podem afetar o valor da minha pessoa ou definir o conteúdo do meu caráter. (…) Devemos tratar-nos uns aos outros com bondade, dignidade e respeito, seja em privado, conversa [típica masculina] de balneário ou cara a cara. Infelizmente há muita gente no poder que abusa da sua posição e desrespeita estes princípios simples e são recompensados por isso.”

E continua: “Por compreender a magnitude desta situação, escolho com orgulho o respeito próprio e usar a minha voz para enriquecer, inspirar e elevar o melhor das pessoas”.

O vídeo de 2005 foi publicado este fim de semana pelo Washington Post. Trump chocou meio mundo por usar a expressão “grab them by the pussy”, numa conversa com o primo de George W. Bush, Billy Bush, referindo ainda que por ser uma “estrela” podia fazer o que bem entendesse. Ou seja, pisar o risco nas abordagens ou comentários face às mulheres. O candidato republicano à Casa Branca pediu desculpa ao seu eleitorado pouco depois, mas não evitou uma onda de críticas duras, que chegaram desde o seu partido à sua mulher, Melania Trump.

Em baixo, o vídeo que está a dar que falar nos Estados Unidos:

https://www.youtube.com/watch?v=rKB92ohXn20