Uma Brigitte Bardot de cabelos loiros, chapéu de palha e botas pelos joelhos roubou todas as atenções no terceiro e último dia da 47.ª edição da ModaLisboa. O ícone de estilo saltou do ecrã e do filme Viva Maria para desfilar na passerelle de Filipe Faísca de cesta no braço. Uma “retrospetiva”, como se chama a coleção primavera/verão 2017, que celebra os 25 anos de carreira do criador português e reflete sobre o passado, presente e futuro. “Datas redondas são sempre significativas porque fazem-me olhar para trás e refletir sobre aquilo que é preciso mudar”, explica ao Observador.

Ao fim de 25 anos tenho mais calma e confiança no processo criativo mas, ao mesmo tempo, há uma necessidade de perceber o que está a faltar. Se quero ir mais longe de que forma será?”, interroga o designer.

Uma questão à qual tentou responder com uma mulher romântica, típica dos anos 70, que usa artesanato às costas e sapatos Christian Loubotin nos pés e que, no armário, guarda vestidos plissados em tons de amarelo, saias com folhos em verde militar e túnicas com padrões floridos. E se o passado está representado por um estampado com um relógio, o futuro ainda é um enigma. “Não faço a menor ideia do que nos espera para o futuro da marca. O que eu sinto é que há cada vez mais pessoas interessadas — estrangeiros inclusive — e é com estes sinais do mercado que vamos trabalhar”, diz Filipe Faísca.

Em forma de agradecimento, o criador português (que foi distinguido duas vezes com o prémio de melhor designer de moda nos Globos de Ouro) distribuiu rosas pela sala cheia de pessoas no Pátio da Galé. A plateia respondeu efusivamente e levantou-se para fazer uma vénia ao percurso profissional de Filipe Faísca, aos seus 25 anos de carreira e aos 25 anos da ModaLisboa.

CatWalk, Fashion, Moda, Lisboa, Lisbon, Portugal, Fashion Week, Summer, Verão, Spring, Primavera, 2017, Together, Filipe Faísca,

Filipe Faísca no fim do desfile a atirar rosas brancas, amarelas e vermelhas à plateia. (foto: Rui Vasco/ModaLisboa)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Também de sala cheia coube a Ricardo Andrez, Nadir Tati e Kolovrat apresentar propostas para a primavera/verão 2017. O primeiro vestiu modelos com fatos de corpo inteiro com uma coleção unisexo — talvez a mais vestível do criador até à data — onde questionou a distinção de géneros. Já Nadir Tati voltou às raízes angolanas e apostou em drapeados, bordados, transparências e tecidos africanos. Por último, Lidija Kolovrat usou e abusou de malhas desfiadas, t-shirts oversized e longas camisolas com estampados gráficos.

No arranque do dia, Ricardo Preto voltou a pisar a passerelle mais importante da capital para apresentar a coleção feminina que desenhou para a rede de lojas Rustan’s. “Inspirei-me na beleza das Filipinas e na arquitetura moderna”, explicou ao Observador. Não faltaram folhos e brocados de flores, em tons de verde e rosa, que lembram uma pequena selva filipina.

CatWalk, Fashion, Moda, Lisboa, Lisbon, Portugal, Fashion Week, Summer, Verão, Spring, Primavera, 2017, Together, Ricardo Andrez,

Os modelos encapuçados de Ricardo Andrez levaram-nos a questionar se a distinção de género na moda ainda continua a fazer sentido. (foto: Rui Vasco/ModaLisboa)

A portuense Olga Noronha, mestre em joalharia, presenteou-nos com uma coleção contemporânea e vanguardista q.b. com leques dourados, espartilhos de metal e acessórios barrocos ao som do fado “Ó gente da minha terra” interpretado por Mariza, sentada na primeira fila. Mal ela sabia que o trinar das guitarras portuguesas ia também inspirar Patrick de Pádua a criar uma coleção em tons de preto que une opostos: o fado com o hip-hop, o estilo clássico com tendências desportivas e as silhuetas oversized com tecidos transparentes. Uma bela estreia do criador no calendário oficial da ModaLisboa depois de ter sido selecionado pelo júri do Sangue Novo a apresentar as suas coleções na plataforma LAB, dedicada às marcas emergentes.

O encerramento da 47ª edição foi da responsabilidade de Luís Carvalho que fez da passerelle uma pista de dança com direito a disco ball. Ou não tivesse o criador, natural de Vizela, ido buscar inspiração ao estilo de Debbie Harry, mítica vocalista dos Blondie. “Esta coleção tem muitas referências ao estilo pop/rock dos anos 70”, diz o designer ao Observador depois do desfile. Daí que não tenham faltado acabamentos em vinil, sarjas de algodão e aplicações metálicas ao som de “Heart of Glass” tocada ao vivo por Alex D’Alva Teixeira. “Já as cores foram inspiradas no vermelho, coral e azul das obras da artista plástica Gretchen Albrecht, outro nome sonante dos anos 70.”

CatWalk, Fashion, Moda, Lisboa, Lisbon, Portugal, Fashion Week, Summer, Verão, Spring, Primavera, 2017, Together, Luís Carvalho,

Alex D’Alva Teixeira a dar música ao desfile de Luís Carvalho. (foto: Rui Valido/ModaLisboa)

O melhor da moda portuguesa ruma agora ao norte onde Miguel Vieira, Carlos Gil e Luís Buchinho — recém-chegados das grandes semanas de moda internacionais — vão desfilar no Portugal Fashion entre 12 e 15 de outubro, num calendário com muitos outros designers. Quanto à ModaLisboa, regressa em março com propostas para o outono/inverno de 2017-18.