Dois filhos na mochila

Neve, baleias e pinguins na Patagónia Argentina

Na costa atlântica da Argentina, vimos saltos de baleias a poucos metros e passeámos entre pinguins em época de acasalamento. Foi uma semana na Patagónia ao jeito de documentário sobre a vida natural.

No mar junto a Puerto Madryn, uma baleia surpreendeu-nos com saltos acrobáticos.

JBF

Quando, antes da viagem, mostrámos aos amigos a ilustração que encabeça o nosso blogue, vários questionaram porque tínhamos lá posto um pinguim. Na América do Sul?! De facto, a imagem que a maioria de nós tem do continente tem mais a ver com o seu lado quente e tropical, ou com lugares exóticos e misteriosos, como Machu Picchu ou as cataratas do Iguaçu. Mas a nossa experiência, agravada por termos vindo no inverno do Hemisfério Sul, tem tido mais momentos de frio do que de calor, e foi nesse cenário que tivemos os encontros mais singulares da viagem.

Mas já lá vamos. A primeira novidade foi a neve. Já a tínhamos visto ao longe, no cimo das montanhas do Peru e do Chile, mas foi ao entrar na Argentina que começámos a ver muita neve junto à estrada lindíssima que une a cidade chilena de Osorno a Bariloche. Para nós não era tanta a novidade, mas o Manel nunca tinha visto neve e a Luísa já mal se lembrava da ida à Serra da Estrela. Junto a Bariloche está a maior estância de esqui da América Latina, Cerro Catedral, onde fomos passar uma tarde. Já era fim de temporada e o espaço vivia sobretudo das viagens de finalistas do secundário, mas havia neve suficiente para a Luísa e o Manel deslizarem e fazerem um boneco de neve. Uma hora bastou para as crianças ficarem de barriga cheia.

Despedimo-nos então do cenário de montanha, que foi presença quase constante desde o início, na Colômbia, e chegámos à costa do nosso Atlântico. A cidade de Puerto Madryn fica numa zona que recebeu muitos imigrantes do País de Gales e ainda hoje se veem lojas com nomes galeses, a vender bolos típicos daquele país. Mas a principal atração da região é a espantosa fauna marinha que escolhe esta região para se reproduzir, em particular a baleia franca austral e o pinguim de Magalhães. E a época do ano em que viemos era perfeita para observar uns e outros.

Feitas as contas, num país onde a inflação é incrível (os preços triplicaram face ao que vinha no nosso guia de 2013) optámos por alugar um carro para ir explorar a Península Valdés, onde as baleias são rainhas dos mares. Pelo caminho, fomos vendo guanacos, avestruzes e tatus. Mas foi o passeio de barco para avistamento de baleias que se revelou único e valeu toda a fortuna que nos custou.

Primeiro passou por nós um grupo de pinguins a nadar, depois vimos um grupo de lobos-marinhos na costa, o que já por si era original. Surgiram então as baleias, dois pares de mãe e cria, mesmo junto ao nosso barco. Vê-las a nadar a escassos metros já era uma emoção, mas uma das crias ainda nos brindou com uma sequência de saltos para a água que tão cedo não esqueceremos. Ora veja o vídeo e a fotogaleria que se seguem.

No dia seguinte, fizemos 180 quilómetros para sul, até à reserva de Punta Tombo. É a maior reserva de pinguins de Magalhães do mundo, com cerca de um milhão de exemplares; o nome da espécie deve-se à expedição de Fernão de Magalhães, em 1520, onde foram identificados estes animais monógamos. Em setembro, começa a temporada de reprodução, e muitos casais conseguem voltar ao mesmo ninho utilizado no ano anterior.

O passeio pela reserva faz-se por um caminho de quilómetro e meio, delimitado por cordas, mas os pinguins cruzam-se várias vezes no nosso caminho e quase parece que vêm atrás de nós. Estar tão perto e ouvir o seu grito de acasalamento e demarcação de território, que lembra vagamente um burro a zurrar, foi mais uma experiência única que vamos levar desta viagem.

A Maria e a Luísa apanharam dois casais de pinguins em plena atividade amorosa; eu vi um pinguim atrevido a tentar invadir um ninho já ocupado por um casal, e a ser expulso à bicada pelo macho. A fotogaleria abaixo documenta a nossa expedição “O Verbo Ir – Vida Selvagem”.

Daqui vamos seguir para Buenos Aires, onde a fauna será bem diferente. Continue a acompanhar a nossa viagem no blogue O Verbo Ir, no Facebook e no Instagram.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)