Rádio Observador

Barack Obama

Obama quer humanos em Marte em 2030

263

Num artigo de opinião publicado na CNN, Obama destaca a importância do programa espacial dos EUA e garante que a NASA está a trabalhar com os privados para levar humanos a Marte em 2030.

Getty Images

Barack Obama anunciou que o governo norte-americano irá trabalhar em conjunto com empresas privadas do setor da aeronáutica para permitir que na década de 2030 seja possível enviar humanos a Marte em segurança. Nos próximos dois anos, astronautas ao serviço de companhias privadas já poderão ir à Estação Espacial Internacional. O anúncio foi feito num artigo de opinião escrito pelo presidente dos EUA na CNN, em que Obama sublinha que o programa espacial americano “representa uma parte essencial de quem somos”.

No texto, Obama destaca a importância da ciência e da tecnologia, e lembra a sua própria história. “Uma das minhas primeiras memórias é estar sentado aos ombros do meu avô, a acenar com uma bandeira enquanto os nossos astronautas regressavam ao Havai. Foi anos antes de irmos à Lua, décadas antes de pousarmos um rover em Marte, e uma geração antes de aparecerem fotografias tiradas da nossa Estação Espacial Internacional nas nossas redes sociais”, começa por escrever o presidente norte-americano.

Para Obama, “a corrida ao espaço não só contribuiu incomensuravelmente para os importantes avanços tecnológicos e médicos, mas também inspirou uma nova geração de cientistas e engenheiros com o que é preciso para manter a América no topo”. E os últimos anos provam-no: “Só no último ano, a NASA descobriu água corrente em Marte e provas da existência de gelo numa das luas de Júpiter, e ainda mapeámos Plutão”, descreve Obama.

O presidente norte-americano elogia ainda o trabalho das empresas privadas do setor da exploração espacial. “Mais de mil empresas em quase todos os 50 estados estão a trabalhar em iniciativas espaciais privadas“, continua. Por isso, o objetivo de chegar a Marte (e conseguir regressar em segurança) em 2030 só será possível com o apoio das empresas privadas. “Estou entusiasmado por anunciar que estamos a trabalhar com os nossos parceiros privados para construir novos habitats que possam manter e transportar os nossos astronautas em missões de longa duração no espaço profundo”, esclarece.

Todos os anos, mais de 100 mil engenheiros são formados nos EUA nas chamadas áreas STEM (Ciências, Tecnologias, Engenharias, Matemática). “Se tornarmos a nossa liderança no espaço ainda mais forte neste século do que foi no anterior, não vamos beneficiar apenas em termos de energia, medicina, agricultura, e inteligência artificial. Vamos beneficiar de um melhor entendimento do nosso ambiente e de nós próprios”, acrescenta. O presidente dos EUA termina o texto sublinhando que espera, um dia, segurar os seus netos nos ombros. “Mas em vez de esperarmos o regresso dos nossos exploradores intrépidos, saberemos que é por causa das escolhas que fazemos agora que eles foram para o espaço não apenas para visitar, mas para ficar”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)