O português Nelson Oliveira assumiu esta quarta-feira a sua tristeza pelo 20.º lugar na prova de contrarrelógio dos Mundiais de ciclismo de estrada, admitindo que foi um dos piores exercícios individuais da sua vida.

“Nunca me senti bem ao longo do percurso e, quando assim é, não há muito a dizer. É claro que o calor e o percurso não me favoreceram e que na fase final o vento ficou de frente. Mas o campeão mundial é um homem que também correu com as mesmas condições, por isso, não é desculpa. Foi um dos piores contrarrelógios da minha vida”, lamentou o sétimo no ‘crono’ do Rio2016.

Nelson Oliveira concluiu os 40 quilómetros da prova em 47.18 minutos, mais 2.36 do que o alemão Tony Martin, que se sagrou campeão do mundo pela quarta vez, num exercício disputado sob calor e vento, entre o complexo desportivo de Lusail e a ilha artificial da Peal.

“Hoje, nunca vi o Nelson com o ritmo a que me habituou. Todos têm um dia mau e este foi o dele. Foi o pior contrarrelógio que o vi fazer”, reconheceu o selecionador José Poeira.

O bielorrusso Vasil Kiryienka, campeão do mundo em 2015, arrebatou a medalha de prata, ao gastar mais 45 segundos do que Martin, enquanto o espanhol Jonathan Castroviejo ficou com o bronze, a 01.11 minutos do alemão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR