A Câmara de Marco de Canaveses (PSD) nega responsabilidade nas descargas de efluentes nos rios, esta quinta-feira denunciadas pelo PS, alegando que a rede de saneamento é gerida por uma empresa privada, no âmbito de uma concessão.

Apesar dessa justificação, a autarquia, através do seu vice-presidente e responsável pelo pelouro do Ambiente, José Mota, esclareceu, em documento escrito enviado à Lusa, algumas das situações criticadas pela oposição, nomeadamente os dejetos que estarão a correr para o rio de Galinhas, a partir de uma fossa na urbanização de Ramalhais.

A autarquia reconhece a existência de fossas na zona, insuficientes para o número de ligações, mas refere ter sido construída pelo Município uma estação elevatória de águas residuais, a qual, depois de entregue à concessionária Águas do Marco, não estará a ser utilizada pela empresa, que alega só o fazer depois de todos os moradores efetuarem a respetiva ligação.

O vereador acrescenta que a Câmara Municipal:

Continua a assegurar o esvaziamento das fossas em questão, com base no serviço da cisterna limpa-fossas, mas que é insuficiente para os caudais em causa e para o número de infraestruturas deste tipo existentes ao longo do concelho”.

Em relação à ETAR da Ponta das Tábua, cujo funcionamento também é criticado pelo PS, a autarquia refere que o equipamento, sob alçada da concessionária, é dos anos 80 do século passado e está obsoleto.

A desativação da infraestrutura e a construção de uma nova, com maior capacidade e viabilidade de licenciamento, sempre esteve nos planos do Município, mas a sua concretização só ainda não se efetivou por falta de meios financeiros para a realização da obra”, explica o autarca.

José Mota alega que “não tem havido recetividade por parte da entidade gestora dos fundos comunitários para financiar esta obra, em virtude de existir um litígio entre o Município e a concessionária, como é sabido”.

Em relação à situação no Pisão Novo, também apontada pelo PS, “onde os esgotos a céu aberto são uma realidade” e, segundo aquele partido, o saneamento “desagua diretamente para o Rio Tâmega”, o vereador refere que “o assunto foi reportado à concessionária Águas do Marco”, solicitando a intervenção para resolução de relatos que apontam para problemas de saneamento”.