Beleza e Bem Estar

“Hygge”. A palavra mágica que faz da Dinamarca o país mais feliz do Mundo

2.567

Segundo um relatório anual da ONU, a Dinamarca é o país mais feliz do mundo. E tudo se deve a uma pequena e estranha palavra: o hygge. O Observador explica-lhe este segredo da felicidade em 12 passos.

"É viver o momento, desfrutar o agora"

rabanito via Visual hunt / CC BY

A Dinamarca é o país mais feliz do mundo, segundo um relatório anual que a Organização das Nações Unidas (ONU) tem elaborado desde 2012. Muitos habitantes do país nórdico garantem que o segredo da sua felicidade é o hygge, um conceito que não é de fácil tradução e do qual se tem escrito muito ultimamente.

É difícil encontrar uma palavra; seria uma entre bem-estar, estar numa situação em que te sentes confortável, relaxado e livre”, explicou Mikkel Larsen, de 42 anos, do departamento de comunicação da embaixada da Dinamarca em Madrid, à Verne.

Para Larsen, tem a ver com algo social, compartilhar momentos de diversão com os outros. As suas colegas, Julie Thomsen, de 24 anos, e a vice-consul Birte Secher, de 70 anos, creem que tem mais a ver com a paz e o sossego, com os momentos em que se fazem pequenas coisas que nos fazem felizes, que também podem ser divertidas.

Embora a representação diplomática escandinava não considere que o hygge esteja relacionado com o mau tempo, como sugeriu recentemente a Quartz, acredita que o outono e o inverno são os melhores para este ‘sentimento’. “É necessário porque está escuro e frio”, explica Thomsen. Estas são as suas dicas para a felicidade:

Procurar o momento

Thomsen explica que o conceito consiste em dedicar um tempo diário para fazer o que nos faz sentir bem, com as pessoas que amamos e com nós mesmos.

“Na Dinamarca pensamos muito em usar o tempo de uma maneira eficaz, para trabalhar e fazer todas as tarefas diárias.” Mas, além disso, diz, também nos preocupamos em encontrar tempo para nos cuidarmos e relaxar à margem das obrigações, com “pequenas coisas”, segundo ela.

Abrir a tua casa

O hygge pode produzir-se em qualquer sítio. Um churrasco ao ar livre no verão, um passeio pelo parque, um aperitivo, um jantar num restaurante pode ser hyggelig. Mas, como a maioria dos dinamarqueses gosta mais de reunir-se no conforto do seu lar, abrem as portas da sua casa.

Criar um ambiente propício

Cuidar da iluminação para que seja acolhedora. Colocar uma boa música de fundo. Uma lareira seria o ideal, mas as velas são imprescindíveis. Umas flores frescas sobre uma mesa de madeira, uma toalha bem colocada, ajudam a conseguir um toque especial para provocar um prazer simples.

Evitar tudo o que rompe o estado de relaxamento

Nada de falar de política ou de temas que podem causar tensão. É para estar em harmonia, ter um momento agradável de paz, por isso é proibido pensar em trabalho, nos problemas, no stress diário e na pressa. A televisão, o iPad e o telemóvel também impedem as conexões sociais com o hygge.

Concentrar-se numa só conversa com toda a gente

Depende do tamanho da casa, mas consegue-se melhor em lugares pequenos. E tem sentido, porque assim é mais fácil manter uma única conversa em vez de várias conversas paralelas.

Pensar no menu

No outono e no inverno, os dinamarqueses não concebem uma noite sem uma bebida quente. Cozinhar em conjunto também é muito comum. Reunem-se com a família e os amigos para preparar uma receita tradicional ou fazer um bolo. Os dinamarqueses apreciam grød, uma espécie de papa que os lembra a infância, porque o hygge tem também muito de nostalgia. O hygge pode também corresponder a comprar uns queijos e vinho e tomá-lo à luz das velas.

Ter sempre presentes os antepassados

Alguns dizem que o hygge tem a ver com fazer coisas que os antepassados reconheceriam. Os dinamarqueses inquiridos concordam que está muito relacionado com as tradições e com atividades ou objetos que têm um grande valor sentimental. Tomar chá numa chávena da avó é muito hygge, segundo Larsen. Já para Secher, que passou 40 anos em Espanha e se apegou às tradições dinamarquesas, abrir um móvel dos seus bisavós é como voltar a cheirar a casa dos avós e esse é um sentimento muito hyggelig para ela. Destapar os dias no calendário é um evento típico escandinavo, como se faz no Natal, porque transporta para a infância, quando o faziam com os seus pais.

Estar confortável

Embora o hygge tenha mais a ver com desfrutar do que com os atos e as coisas em concreto, há elementos que ajudam. As velas, que dão calor e luz quando na Escandinávia domina a escuridão e o frio. A roupa cómoda, segundo Thomsen. Ficar na cama ao domingo debaixo do edredom por mais tempo do que o habitual, com um bom livro e um café. Enrolar-se no sofá com uma manta e uma chávena de chá ou chocolate quente, a ver um filme.

As coisas hyggelig

É importante que seja algo de que se goste e algo simples. Os jogos de mesa em família ou com os amigos são muito hyggelig. O Natal e a Páscoa também são hyggelig, garante Larsen. Também há coisas que são hygge para uns e para outros não. Por exemplo, Thomsen, com 24 anos, acredita que caçar pokemons com os amigos poderia ser, mas estar ‘colado’ ao telemóvel não, porque isso não é passar tempo de qualidade. Para Secher, tudo o que tem a ver com videojogos e telemóveis é o contrário de relaxar e, portanto, está excluído.

Fugir de ambientes que não são hygge

O antónimo deste termo é uhyggelig, mas este tem mais a ver com um filme de terror, com sangue e medo. Aquilo a que se referem os dinamarqueses é a tudo o que não é propício a estar confortável. Para Larsen, por exemplo, não se pode conseguir um ambiente descontraído num bar ou numa discoteca, com música alta e luzes florescentes.

“Expressá-lo”

Na Dinamarca é uma palavra utilizada com muita frequência, além de substantivo é adjetivo, advérbio e verbo. Serve para descrever a camisa confortável que se veste para dizer a alguém “vamos ver um filme e comer doces” ou “vamos jogar Trivial e passar um tempo hygge“. Usa-se com frequência para partilhar com os amigos quanto é bom estar com eles naquele momento e para a despedida depois de um jantar hyggelig.

Ser consciente do momento

Uma comida e uma grande sobremesa com os amigos poderia ser hygge para nós, mas o que diferencia os dinamarqueses é que eles são capazes de identificar e nomear esse momento de bem-estar. Sabem o que está a acontecer e estão a desfrutá-lo, algo assim como um mindfulness permanente ao estilo nórdico. “Encaixa muito bem com o slowliving, é algo quase budista”, explica Larsen. Para Secher “é viver o momento, desfrutar o agora“.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)